Rodrigo Lago emprega o sócio na Transparência e Controle do governo Dino
Política

Marcos Caminha mantém sociedade com o secretário no escritório Lago e Caminha Advogados. O outro sócio de Rodrigo Lago, Valdênio Caminha, também foi empregado no governo estadual

Perfil de Rodrigo Lago em uma rede social comprova que ele é sócio da Lago e Caminha Advogados
Reprodução Conflito de interesses Perfil de Rodrigo Lago em uma rede social comprova que ele é sócio da Lago e Caminha Advogados

O secretário de Transparência e Controle do Maranhão, Rodrigo Pires Ferreira Lago, empregou em sua Pasta, para um cargo comissionado (sem concurso público), um de seus sócios em um escritório de advocacia localizado em São Luís, o Lago e Caminha Advogados.

Sócio-administrador no escritório, Marcos Antônio Canário Caminha foi presenteado por Rodrigo com o cargo de Chefe da Assessoria Especial, de simbologia DGA, de faixa salarial cujo piso atualmente é de cerca de R$ 3.500.

A nomeação foi publicada no Diário Oficial (DO) do Estado do Maranhão desde o último dia 19, mas com efeitos retroativos ao dia 2 do mesmo mês.

Criada no início de dezembro de 2012, logo após a vitória do prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PTC), a Lago e Caminha Advogados tem ainda como sócio o pai de Marcos Caminha, o procurador do Estado Valdênio Nogueira Caminha, que também ganhou um cargo comissionado no governo estadual.

Valdênio foi indicado por Rodrigo Lago e nomeado pelo governador Flávio Dino (PCdoB), na última quinta-feira (22), como Diretor do Convento das Mercês, prédio que abriga a Fundação da Memória Republicana Brasileira, antiga Fundação José Sarney.

Em perfil na rede social Linked In, Marcos Caminha se identifica como sócio-administrador na Lago e Caminha, mesmo escritório de Rodrigo Lago
Linked In Sócio do secretário Em perfil na rede social Linked In, Marcos Caminha se identifica como sócio-administrador na Lago e Caminha, mesmo escritório de Rodrigo Lago

De acordo com declarações do próprio Lago, a função de seu sócio na FMRB é atuar como um "síndico" ou "prefeito".

No sábado (24), o Atual7 tentou conversar com Rodrigo Lago sobre a nomeação de um de seus sócios para a Transparência e Controle, e o outro para o Convento das Mercês, mas o secretário demonstrou irritação e não quis responder a nenhuma das perguntas feitas pela reportagem.

Navalha

Na mesma data em que nomeou o sócio de seu secretário como Chefe de Assessoria Especial da Transparência e Controle, Dino nomeou ainda a delegada de Polícia Civil, Ana Karla Silvestre Fernandes, atual esposa do deputado federal e secretário indicado de Minas, José Reinaldo Tavares (PSB), para o cargo de corregedora-Geral do Estado, símbolo isolado, remuneração das mais altas pagas pelo governo, equivalente à de um secretário-adjunto.

Trecho da nomeação de Marcos Caminha publicada no Diário Oficial
DO Controle da verba pública Trecho da nomeação de Marcos Caminha publicada no Diário Oficial
Tribunal de Justiça do MA condenou 45 gestores por corrupção, mas nenhum foi preso
Política

Judiciário maranhense acaba convertendo a pena de detenção em prestação de serviços à comunidade

A impunidade para quem comete atos de corrupção no Maranhão tem contribuído para uma dura realidade ao bolso do contribuinte maranhense: apesar do Tribunal de Justiça (TJ) ter condenado 44 ex-prefeitos e um prefeito, entre os anos de 2012 e 2014, por envolvimento em algum tipo de crime contra os cofres públicos durante o exercício do cargo, nenhum dos gestores foi parar na cadeia.

Crimes como atraso ou fraude na prestação de contas, desvio de verbas, lesão ao erário público, contratação de servidores sem concurso, fraude em licitação, falta de comprovação ou má aplicação de recursos, falsidade ideológica, fragmentação de despesas e dispensa irregular de licitações acabaram resultando, em sua maioria, apenas em condenações de bloqueio de repasses estaduais e federais para os municípios, o que acaba não punindo quem realmente deveria sofrer alguma pena: o político larápio.

Outras condenações, como afastamento, cassação de mandato ou perda de direito de exercer o cargo ou função pública acabaram sendo derrubadas em decisões posteriores do próprio TJ-MA ou em instâncias superiores.

Já as condenações que, com base na lei, resultariam em cadeia aos corruptos, também por decisão do próprio Judiciário, acabaram sendo convertidas, com base em brechas da lei, em prestação de serviços à comunidade, sendo a maioria a distribuição de poucas cestas básicas aos bairros carentes das cidades em que o dinheiro público foi desviado. Se a decisão inicial por detenção prevalecesse, porém, a maioria teria parado no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Dinheiro embolsado que não volta ao erário

Uma das condenações que também não tem qualquer resultado prático é a de pagamento de multas.

De acordo com dados divulgados no início de 2015 pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Maranhão, o total de R$ 282.487.219,83 não foram devolvidos aos cofres públicos por gestores maranhenses condenados por corrupção. Se somado aos pagamentos de multa pelas práticas ilícitas, que ocorrem quase sempre por meio de convênios, o valor que já deveria ter sido devolvido ao erário sobe para exorbitantes R$ 341.512.494,09.

Abaixo, organizada por ano, a lista completa dos 44 ex-prefeitos e de um prefeito condenados por corrupção pelo Tribunal de Justiça, mas que continuam livres por leniência da próprio Judiciário maranhense:

2012

Agamenon Lima Milhomem, ex-prefeito de Peritoró
Antonio Marcos de Oliveira, o Primo, ex-prefeito de Buriticupu
Cleomaltina Moreira, ex-prefeito de Anapurus
Ilzemar Oliveira Dutra, ex-prefeito de Santa Luzia
João Alberto Martins Silva, ex-prefeito de Carolina
João Batista Freitas, ex-prefeito de São Vicente Férrer
José Francisco dos Santos, ex-prefeito de Capinzal do Norte
José Ribamar Rodrigues, ex-prefeito de Vitorino Freire
Lenoílson Passos da Silva, ex-prefeitos de Pedreiras
Lourêncio de Moraes, ex-prefeito de Governador Edison Lobão
Manoel Mariano de Sousa, o Nenzin, ex-prefeito de Barra do Corda
Mercial Lima de Arruda, ex-prefeito de Grajaú
Raimundo Galdino Leite, ex-prefeito de São João do Paraíso
Rivalmar Luís Gonçalves Moraes, ex-prefeito de Viana
Socorro Waquim, ex-prefeito de Timon
Francisco Rodrigues de Sousa, também, ex-prefeito de Timon
Francisco Xavier Silva Neto, ex-prefeita de Cajapió
Glorismar Rosa Venâncio, a Bia Venâncio, ex-prefeita de Paço do Lumiar
Jomar Fernandes, ex-prefeito de Imperatriz
José Reinaldo Calvet, ex-prefeito de Bacabeira
Raimundo Nonato Jansen Veloso, ex-prefeito de Pio XII

2013

Ademar Alves de Oliveira, ex-prefeito de Olho D’água das Cunhãs
Cláudio Vale de Arruda, ex-prefeito de Formosa da Serra Negra
Deusdedith Sampaio, ex-prefeito de Açailândia
Francisco das Chagas Bezerra Rodrigues, ex-prefeito de Riachão
Francisco Rodrigues de Sousa, o Chico Leitoa, ex-prefeito de Timon
Francisco Xavier Silva Neto, ex-prefeito de Cajapió
Ilzemar Oliveira Dutra, ex-prefeito de Santa Luzia
José Vieira, ex-prefeito de Bacabal
Maria José Gama Alhadef, ex-prefeito de Penalva
Raimundo Nonato Jansen Veloso, ex-prefeito de Pio XII

2014

Adail Albuquerque de Sousa, ex-prefeito de Montes Altos
Alcir Mendonça da Silva, ex-prefeito de Zé Doca
Aluísio Holanda Lima, ex-prefeito de Olho D´Água das Cunhãs
Antonio de Castro Nogueira, ex-prefeito de São Domingos do Maranhão
Antonio Reinaldo Sousa, ex-prefeito de Passagem Franca
Atenir Ribeiro Marques, atual prefeito de Alto Alegre do Pindaré
Francisco Alves de Holanda, ex-prefeito de João Lisboa
Glorismar Rosa Venâncio, ex-prefeito de Paço do Lumiar
José Miranda Almeida, ex-prefeito de Brejo de Areia
Jomar Fernandes, ex-prefeito de Imperatriz
Marcos Robert Silva Costa, ex-prefeito de Matinha
Manoel Albino Lopes, ex-prefeito de Altamira do Maranhão
Nerias Teixeira de Sousa, ex-prefeito de São Pedro da Água Branca
Raimundo Nonato Borba Sales, ex-prefeito de Cantanhede

Maranhão

Luis Henrique Sales quer cursar Engenharia da Computação

Veículos nacionais deram destaque, durante todo esse sábado (24), à brilhante conquista do estudante maranhense Luís Henrique Sales Santos, 19 anos, que junto com outros 249 estudantes em todo o Brasil obteve a nota mil na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2014.

A nota máxima no Enem à redação do maranhense virou destaque no R7, Agência Brasil, Info, O Dia, Folha de S. Paulo, Brasil Post, MSN, Época, O Povo e iG, além de vários blogs nacionais.

O educador Carlos Wellington, fundador do Curso Wellington, e o estudante Luís Henrique
Divulgação Orgulho maranhense O educador Carlos Wellington, fundador do Curso Wellington, e o estudante Luís Henrique

Luis Henrique Sales, que perdeu 25% da audição por consequência de uma paralisia cerebral, é morador do bairro do Gapara, região da periferia da capital maranhense, sempre estudou em escola pública, e fez o preparatório para o Enem em uma das unidades do Curso Wellington.

Ele já havia conquistado uma vaga no Instituto Federal do Maranhão (Ifma) para técnico em mecânica. Agora, o estudante maranhense pretende cursar Ciências da Computação em uma instituição de ensino superior, aguardando para isso apenas o resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que será divulgado nesta segunda-feira (26).

Fâmulo de berço do clã Sarney será líder do governo Flávio Dino na Assembleia
Política

Sobrinho do senador Epitácio Cafeteira, aliado incondicional de José Sarney, Rogério Cafeteira tem a missão de defender o governo dinista das denúncias da oposição

A população do Maranhão corre o sério risco de ter se livrado da chibata de uma oligarquia para viver debaixo do jugo de uma dinastia.

Nascido e criado no clã Sarney, Rogério Cafeteira abraçou o projeto da mudança e agora é Flávio Dino
Reprodução Por um Maranhão melhor Nascido e criado no clã Sarney, Rogério Cafeteira abraçou o projeto da mudança e agora é Flávio Dino

Democraticamente eleito sob o discurso da mudança, do fim de privilégios e do domínio de velhas raposas, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), tem feito de tudo para presentear o seu padrinho político, deputado Humberto Coutinho (PDT), com a Presidência da Assembleia Legislativa do Estado.

Para isso, Dino tem jogado todas as cartas possíveis e impossíveis no jogo do submundo da política maranhense, sendo a mais recente a de ascender à líder de seu governo um dos filhotes da oligarquia Sarney, o deputado estadual Rogério Cafeteira (PSC), sobrinho do eterno sarneyzista senador Epitácio Cafeteira (PTB-MA).

Mais conhecido pela estranha alcunha de Porcão, Rogério tornou-se um político de futuro promissor dentro de seu antigo grupo tão logo assumiu o primeiro mandato no Legislativo estadual, após repisar as mesmas práticas utilizadas por seu tio, que lhe empregou no Senado Federal.

Em 2011, em seu primeiro ano de mandato, o futuro líder do governo Flávio Dino na Assembleia nomeou em seu gabinete duas amigas e a filha do imortal ex-secretário de Esportes do governo Roseana Sarney, Joaquim Nagib Haickel, com salários que beiravam a R$ 9 mil, na época.

Reeleito em 2014 pela coligação que apoiava a candidatura do suplente de senador Lobão Filho (PMDB-MA), Rogério Cafeteira tem agora como principal missão fazer a defesa do governo dinista diante das denúncias da oposição, sobretudo da deputada Andréa Murad (PMDB), filha do ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad.

Dinastia

Além de Rogério Cafeteira, Flávio Dino conseguiu reunir em torno de seu candidato à presidência da Assembleia outros nomes historicamente ligados umbilical ou subalternamente ao senador José Sarney.

 

 

Flávio Dino nomeia ‘fake’ criado para achincalhar adversários no Twitter
Política

Dono do perfil Revista Péssima foi presenteado com o cargo de adjunto de Marketing no governo comunista

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), nomeou o responsável pelo perfil 'fake' Revista Péssima no microblogging Twitter, Marco Aurélio Pereira de Oliveira, para o cargo de secretário-adjunto de Marketing, simbologia isolado, remuneração das mais altas do estado.

O comunista Flávio Dino, e o adjunto de Marketing do governo do estado, Marco Aurélio, responsável pelo fake Revista Péssima
Reprodução/Facebook Pago para achincalhar O comunista Flávio Dino, e o adjunto de Marketing do governo do estado, Marco Aurélio, responsável pelo fake Revista Péssima

A nomeação foi publicada no Diário Oficial da última segunda-feira (19), com efeito retroativo ao dia 2 do mesmo mês, quando Marco Aurélio começou a utilizar a internet pública do Palácio dos Leões para atualizar o perfil falso.

Embora criar perfil falso de alguém que não exista, só para preservar sua identidade na internet, como é o caso do adjunto de Marketing de Flávio Dino, não pode ser configurado como crime de falsidade ideológica, o anonimato é proibido pela Constituição Federal, e pode ser caracterizado como crime de informática, passível de seis meses a dois anos de pena de prisão - que pode ainda ter um aumento de um terço da pena se o responsável pelo perfil causar prejuízos a terceiros.

Se utilizado recursos públicos, a máquina, para praticar esse tipo de crime, o caso torna-se ainda mais grave.

Criado em 2010, o 'fake' desempenha o papel de criar e disseminar achincalhes aos adversários do comunista, inclusive profissionais da imprensa, por orientação do secretário de Articulação Política e Assuntos Federativos, Márcio Jerry.

Apesar do governador do Maranhão ter declarado que em seu governo não "colaria" a "velha tática inventada por Chatô - bater para em seguida extrair contratos e vantagens materiais", antes de criar a Revista Péssima, Marco Aurélio era um dos maiores críticos de Flávio Dino e do próprio Márcio Jerry, a quem provocou chamando-o de "rato", em 2012, quando ainda era assessor do vereador de São Luís pelo PTB, Pedro Lucas, durante uma reunião da legenda com membros do PT.

Em 2008, o responsável pelo perfil 'fake' foi o pivô de uma cizania entre o jornal O Imparcial e Dino, que perdura até hoje, quando produzia reportagens a favor do ex-prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), e críticas à dupla comunista.

Prática antiga

Não é a primeira vez que Dino se utiliza de fakes para caluniar, difamar e injuriar adversários.

Em 2010, o comunista patrocinou o antigo responsável pelo perfil Rosengana, que depois assumiu a editoria de um blog onde Márcio Jerry mantém-se como ghost-writer.

Política

Manifestações cobram o pagamento de mais de R$ 850 mil ao erário municipal

O ex-prefeito de Mata Roma, Lauro Pereira Albuquerque
Reprodução Grachal O ex-prefeito de Mata Roma, Lauro Pereira Albuquerque

O Ministério Público (MP) do Estado do Maranhão, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Chapadinha, ajuizou, no último dia 12, quatro Ações Civis Públicas de execução forçada contra o ex-prefeito de Mata Roma, Lauro Pereira Albuquerque, o Grachal.

De acordo com o MP-MA, o objetivo das ações é garantir o pagamento do montante total de R$ 859.785,57 aos cofres públicos, como resultado de condenações impostas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) com base em irregularidades na prestação de contas do exercício financeiro de 2007.

As quatro ações, ajuizadas pelo promotor de justiça Douglas Assunção Nojosa, referem-se aos Acórdãos PL-TCE nº 290/2012, que impôs ao ex-gestor o pagamento da quantia de R$ 11.443,33; PL-TCE nº 287/2012, que pede a devolução de R$ 213.878,12; PL-TCE nº 289/2012, cobrando R$ 159.038,13 e ao Acórdão PL-TCE nº 288/2012, que requer o pagamento de R$ 475.425,99.

Caso os valores cobrados, acrescidos de multas e correções, não sejam pagos, as manifestações do MP-MA requerem que sejam penhorados os bens de Grachal.

Nomeação de indiciada por morte de estudantes foi aprovada por Márcio Jerry
Política

Célia Neri responde por morte de oito e lesão corporal de mais oito. Alunos eram transportados da escola para casa em 'pau-de-arara'

A nomeação da ex-secretária de Educação do município de Bacuri, Célia Vitória Neri Silva, indiciada pela morte de oito e lesão corporal de outros oito estudantes da rede pública estadual de ensino no município, para o cargo em comissão de adjunto do Cerimonial pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), conforme revelou o Atual7 na última segunda-feira (19), foi aprovada pelo secretário de Articulação Política e Assuntos Federativos, Márcio Jerry.

Estudantes eram transportados na carroceria da caminhonete
Ricardo Viana Pau-de-arara Estudantes eram transportados na carroceria da caminhonete

Embora o Cerimonial seja subordinado à Casa Civil, comandada por Marcelo Tavares, todas as nomeações no governo do estado estão sendo feitas somente após aprovação de Jerry, segundo acabou vazando ao Atual7 o secretário de Esportes, Márcio Jardim, quando questionado sobre a sinecura dada à cunhada do comunista.

- É lógico que ele sabia da Joslea, porque [para serem aprovados] todos os nomes tem de passar antes por ele, todos os nomes de todas as Secretarias - respondeu Jardim, sobre Márcio Jerry não ter sido contra a irmã de namorada, Lene Rodrigues, também ter sido emplacada no governo.

A revelação feita Márcio Jardim traz luz às respostas dadas por Marcelo Tavares ao Atual7, e por Flávio Dino ao jornalista Gilberto Léda.

Apesar de também assinar a nomeação de Célia Neri, Tavares informou que "ainda não teve tempo de ver" o processo, e esquivou-se afirmando que a indicação foi aceita por ter sido feita pela chefe do Cerimonial do governo, Telma Moura de Oliveira.

Já o governador do Maranhão, que também assina a nomeação pelo cargo que lhe foi atribuído no diploma de eleito, limitou-se a dizer que não sabia do indiciamento da adjunta do Cerimonial pela morte dos estudantes de Bacuri.

- No caso dessa pessoa de Bacuri, eu estou tomando conhecimento agora. Vou apurar a situação e se, de fato, for esta, claro que nós vamos tomar providências - declarou Flávio Dino.

Governador de fato

O controle de Márcio Jerry sobre Flávio Dino e o governo do estado já havia sido confirmado em uma conversa informal entre o próprio Jerry, o secretário de Direitos Humanos, Francisco Gonçalves, e o deputado estadual Bira do Pindaré, nas dependências da Fundação da Memória Republicana Brasileira (FMRB), antiga Fundação José Sarney.

Durante o diálogo, após Bira sugerir transformar o espaço que hoje abriga alguns quadros do senador e ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) em um memorial às vítimas da ditadura, o secretário de Articulação Política de Dino, em meio à palavrões, transpareceu que a proposta já estava aceita, como "primeiro ponto da reunião da comissão" do governo.

Minutos depois, Dino já confirmava no Twitter a pronta obediência ao que havia aceito Márcio Jerry.

Declaração de Dino sobre estrutura da FMRB complica Edivaldo Júnior e Francisco Gonçalves
Política

Governador afirmou que Convento das Mercês está "ameaçado de desabamento". Prefeito e secretário usaram o local há menos de dois meses para realização da FeliS

A declaração dada pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), sobre o Convento das Mercês, imóvel que abriga a Fundação da Memória República Brasileira (FMRB), antiga Fundação José Sarney, acabou complicando a gestão de seu aliado, Edivaldo Holanda Júnior (PTC), prefeito de São Luís, e de seu secretário de Direitos Humanos, Francisco Gonçalves.

Por meio de sua conta pessoal no microblogging Twitter, Dino afirmou que o local está "em estado deplorável, ameaçado de desabamento", inclusive com "escoras de madeira em várias estruturas". Ocorre que há menos de dois meses da declaração do comunista, a prefeitura de São Luís usou o Convento das Mercês para a realização da 8ª Feira do Livro de São Luís (FeliS).

Com base na declaração do governador do estado, Júnior e Gonçalves - então presidente da Fundação Municipal de Cultura (Func), podem responder pelo crime de perigo comum, previstos nos artigos 250 a 259 do Código Penal Brasileiro, por ter exposto a perigo a vida e a integridade física das mais de 200 mil de pessoas que visitaram o evento, a maioria crianças, além das mais de 200 participantes.

Questionado pelo Atual7, Francisco Gonçalves esquivou-se, informando apenas que não teria sido informado à época "da situação do prédio", e solicitou que a coordenadora da Feira do Livro, Rita Oliveira, fosse procurada pela reportagem.

Rita informou que a prefeitura realizou o evento do Convento das Mercês após a vistoria e liberação do Corpo de Bombeiros do Maranhão, porém confessou que "uma vistoria mais profunda poderia ter sido realizada no local".

O Atual7 tentou ainda contato com o assessor de Comunicação da prefeitura de São Luís, Batista Matos, para apurar se o prefeito da capital sabia do perigo a vida e a integridade física de quem esteve no local, e com a presidente da Fundação da Memória Republicana Brasileira, Anna Graziella Costaporém não obteve êxito até a publicação desta matéria.

Crianças caminham entre escoras de madeira na Fundação da Memória Republicana Brasileira, durante a 8ª Feira do Livro
Lauro Vasconcelos Crime de Perigo Comum Crianças caminham entre escoras de madeira na Fundação da Memória Republicana Brasileira, durante a 8ª Feira do Livro
Cinpra levou quase R$ 6 milhões da Prefeitura de São Luís em ano eleitoral
Política

Consórcio é presidido pelo vice-prefeito de São Luís, Roberto Rocha. Valor repassado em 2014 foi duas vezes maior que em ano anterior

A prefeitura de São Luís repassou em 2014, ano eleitoral, R$ 5.800.365,77 para o Consórcio Intermunicipal de Produção e Abastecimento (Cinpra), presidido pelo vice-prefeito de São Luís, Roberto Rocha (PSB). Durante o período dos repasses, Rocha foi eleito ao Senado Federal.

O valor foi duas vezes maior que o efetuado no ano anterior, em 2013, quando o total de R$ 1.889.502,09 foi repassado para a conta da entidade. Ao todo, o Cinpra foi beneficiado com R$ 7.689.867,86. O levantamento foi feito pelo Atual7 com base no portal de transparência da prefeitura de São Luís.

Um fato curioso no levantamento foi que, apesar do consórcio ter sido retomado somente em maio de 2013, naquele mesmo ano, a prefeitura de São Luís fez pelo menos dois repasses referentes ao meses de setembro, outubro, novembro e dezembro de 2009, no total de R$ 779.008,07 pela participação do município no quadro de associados da Cinpra.

Em 2014, a prefeitura voltou a fazer repasses ao consórcio presidido por Roberto Rocha referentes a anos anteriores, quando a entidade estava inerte, sem realizar qualquer ação nos oito municípios que formam a entidade: São Luís, Barreirinhas, Alcântara, Axixá, Humberto de Campos, Morros, Icatu e Rosário.

Além de Rocha, controlam ainda o Cinpra o prefeito Edivaldo Júnior, no cargo de 1º vice-presidente; o prefeito de Barreirinhas, Léo Costa, no cargo de 2º vice-presidente - cargo que não existia e foi criado ano; e Júnior Lobo, reconduzido ao posto de diretor-executivo do consórcio.

Consórcio presidido por vice-prefeito de São Luís recebeu verba pública até de período em que ficou parado
Reprodução Do outro lado do balcão Consórcio presidido por vice-prefeito de São Luís recebeu verba pública até de período em que ficou parado
Flávio Dino vai usar laudo de Corpo de Bombeiros para interditar Convento das Mercês
Política

Governador havia anunciado reabertura para esta segunda-feira (19), mas local permanece fechado

O governador Flávio Dino (PCdoB) pretende usar um laudo de uma vistoria na estrutura do Convento das Mercês, feita pelo Corpo de Bombeiros do Maranhão, nessa segunda-feira (19), para interditar por tempo indeterminado o imóvel que abriga a Fundação da Memória Republicana Brasileira (FMRB), antiga Fundação José Sarney.

Apesar do anúncio de reabertura para visitas feito pelo governo após intensa pressão da população maranhense, a promessa não foi cumprida. O local, que abriga dezenas de projetos sociais, culturais e educacionais, voltados principalmente para famílias carentes do Desterro e do Centro, permaneceu fechado durante todo o dia.

Laudo do Corpo de Bombeiro após vistoria no prédio que abriga a FMRB
Atual7 Adeus, população do Desterro e Centro Laudo do Corpo de Bombeiro após vistoria no prédio que abriga a FMRB

A FMRB está fechada e todas as suas suas atividades estão paralisadas desde que Dino exonerou todos os 48 funcionários da entidade, sem substituí-los por membros da atual gestão, o que acabou inviabilizando a continuidade das atividades no local. Flávio Dino e o senador José Sarney são inimigos políticos.

Curiosamente, apesar de seu secretário de Direitos Humanos [então secretário municipal de Cultura],  professor Francisco Gonçalves, utilizar a estrutura do Convento das Mercês para a realização da 8ª Feira do Livro de São Luís (FeliS), entre o final de outubro e a primeira semana de novembro de 2014, o governador do Maranhão declarou em uma rede social que o prédio "está em estado deplorável" e "ameaçado de desabamento".

Na época, a Prefeitura de São Luís, comandada pelo aliado de Dino, Edivaldo Holanda Júnior (PTC), levou mais de 200 mil pessoas - além dos mais de 200 participantes nacionais e locais - ao imóvel que o comunista declarou estar em "estado deplorável".

Se declaração de Flávio Dino sobre estrutura da FMRB estiver correta, Edivaldo Holanda Júnior pode ter colocado a vida de milhares de crianças em risco
Divulgação Complicou! Se declaração de Flávio Dino sobre estrutura da FMRB estiver correta, Edivaldo Holanda Júnior pode ter colocado a vida de milhares de crianças em risco
Deputados fecham blindagem à parentes para votarem em Humberto Coutinho
Política

Negociação foi fechada há duas semanas, durante almoço em um restaurante na capital

Sete deputados estaduais de primeiro mandato fecharam com o governador Flávio Dino (PCdoB) a blindagem de familiares supostamente envolvidos com desvio de recursos públicos em prefeituras do Maranhão em troca de voto no candidato do comunista à Presidência da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Humberto Coutinho, do PDT.

Ao fundo, deputados conversam sobre proposta de blindagem feita por Flávio Dino por meio de Humberto Coutinho
Yuri Almeida/Atual7 Negociata Ao fundo, deputados conversam sobre proposta de blindagem feita por Flávio Dino por meio de Humberto Coutinho

A blindagem seria nos convênios auditados pela Secretaria de Transparência e Controle, comanda pelo advogado Rodrigo Lago.

Inicialmente formadores de um grupo independente e que apoiaria a candidatura do deputado Wellington do Curso (PPS) para presidir a Casa, os parlamentes Ana do Gás (PRB), Júnior Verde (PRB), Vinícius Louro (PR), Ricardo Rios (PEN), Josimar de Maranhãozinho (PR), Zé Inácio (PT) e Glaubert Cutrim (PRB) acertaram os detalhes finais da proposta oferecida por Dino por meio de Coutinho durante um almoço em um restaurante na área nobre da capital, no último dia 8. O ex-deputado Raimundo Louro também participou da reunião.

Os beneficiados seriam o prefeito de Santo Antônio dos Lopes, Eunélio Mendonça (PSD), esposo de Ana do Gás; o ex-deputado estadual Raimundo Louro (PR), pai de Vinícius; o prefeito de Vitória do Mearim, Dóris Rios (PV), pai de Ricardo; a prefeita de Centro do Guilherme, Maria Deusdete Lima, a Detinha (PR), esposa de Josimar; e o prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim (PMDB), irmão de Glaubert. Os deputados Júnior Verde e Zé Inácio, que mantiveram convênios com prefeituras quando comandaram a Secretaria da Pesca do Maranhão - por meio do testa de ferro Dayvson Franklin de Souza, e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) do Maranhão, respectivamente, foram os únicos a negociar a própria blindagem.

Além da proteção durante as auditorias dos convênios feitas pela Transparência e Controle, foi negociado ainda o apoio do governador do Maranhão na disputa pelo comando dos municípios em que os parlamentares mantém as suas bases eleitorais, nas eleições de 2016.

Flávio Dino nomeia envolvida com morte de estudantes em Bacuri
Política

Célia Neri responde por morte de oito e lesão corporal de mais oito. Alunos eram transportados da escola para casa em 'pau-de-arara'

O governador Flávio Dino (PCdoB) nomeou, desde o último dia 13, para o cargo em comissão de adjunto do Cerimonial, a ex-secretária de Educação do município de Bacuri, Célia Vitória Neri Silva, indiciada pela morte de oito e lesão corporal de outros oito estudantes da rede pública estadual de ensino no município.

Estudantes eram transportados na carroceria da caminhonete
Ricardo Viana Pau-de-arara Estudantes eram transportados na carroceria da caminhonete

O caso ocorreu no dia 29 de abril do ano passado, quando os estudantes eram transportados em um 'pau-de-arara' montado em uma caminhonete da escola para o Povoado Madragoa. O veículo bateu de frente com um caminhão carregado de pedras e caiu em uma ribanceira, na rodovia estadual MA-303, entre Bacuri e Apicum-Açu, cidades do litoral norte do Maranhão.

Além da adjunta do Cerimonial do governo comunista, outras oito pessoas, entre elas o prefeito de Bacuri, José Balduíno da Silva Nery - que se mantém no cargo por força de uma liminar concedida pela desembargadora Nelma Sarney, respondem pelo crime na Justiça, inclusive com o bloqueio de bens.

Ao Atual7, o chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, a quem o Cerimonial do Palácio dos Leões é subordinado, não soube informar o critério adotado para a contratação de Célia Neri.

Apesar de também assinar a nomeação, Tavares informou apenas que "ainda não teve tempo de ver" o processo e que a nomeação de Neri seria em atendimento à indicação da chefe do Cerimonial do governo, Telma Moura de Oliveira. Ele prometeu ainda analisar o caso, ainda nesta segunda-feira (19).

Segundo publicação do Diário Oficial do Estado do Maranhão, a nomeação de Célia Neri foi retroativa ao dia 1º de janeiro, o que indica que ela já esteja trabalhando no cargo.

O Atual7 tentou ainda, insistentemente, contato com Telma Moura, por meio de seu telefone celular, para apurar os critérios adotadas para nomeação de sua adjunta, mas até a publicação desta reportagem a chefe do Cerimonial do governo estadual não havia atendido as ligações, nem retornado as várias mensagens enviada.