Wellington quer repetir na Zona Rural efeito conquistado na Pai Inácio
Política

Deputado trabalha para que governo construa uma ponte de concreto, em parceria com a prefeitura de São Luís, entre os bairros Vila Itamar e Recanto Verde

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) pode repetir na Zona Rural da capital o mesmo efeito conquistado no ano passado, quando após insistentes denúncias de sua autoria, registradas em vídeo, o Governo do Maranhão trabalhou em parceria com a Prefeitura de São Luís pela construção da chamada Ponte Pai Inácio, que liga os bairros Parque Vitória e Turu.

As obras estavam abandonadas pelo Executivo municipal há anos, mesmo tendo recebido dinheiro do governo federal, e só foram retomadas — e concluídas — após as denúncias feitas pelo parlamentar.

Apesar da Assembleia Legislativa do Maranhão ainda estar em recesso, o progressista reativou a unidade do projeto Gabinete Móvel há cerca de uma semana, em visita aos bairros Vila Itamar e Recanto Verde, localizados na Zona Rural de São Luís. Por lá,os moradores da região mostraram ao parlamentar uma ponte de madeira sem qualquer infraestrutura que liga as duas localidades.

Devido ao período chuvoso, a dificuldade e risco de queda em passar pelo local tem sido ainda maior, principalmente para crianças e idosos.

wellington-do-curso-zona-rural-sao-luis-2

Como os trabalhos no Legislativo serão reabertos somente no início de fevereiro próximo, Wellington se antecipou e apresentou à comissão de recesso da Casa duas proposições para que seja solicitado ao Executivo estadual, com urgência, a celebração de uma parceria com o Executivo municipal para a construção de uma ponte de concreto, como ocorreu com a Pai Inácio.

“Atendendo às reivindicações de moradores reinauguramos as atividades do Gabinete Móvel. A primeira ação ocorreu no bairro da Vila Itamar, na Zona Rural de São Luís. Embora a Assembleia Legislativa esteja de recesso, apresentamos duas proposições solicitando a construção de uma ponte para ligar a Vila Itamar ao Recanto Verde, bem como a parceria com o Governo do Estado para que essa obra seja realizada, a exemplo do que aconteceu na Ponte Pai Inácio. Já que a prefeitura não consegue executar obras emergenciais sozinha, esperamos que governo intervenha”, afirmou Wellington.

Ao ATUAL7 ele informou que, ainda esta semana, encaminhará ofícios aos secretários de Infraestrutura e de Obras do Estado e do Município, respectivamente, Clayton Noleto e Antônio Araújo, informando o problema. A ideia é reforçar a solicitação de parceria urgente entre o governo e a prefeitura para a construção e entrega da obra. Um outro ofício deverá ser encaminhado, também, ao próprio governador Flávio Dino (PCdoB).

Wellington acredita que a ação resultará na substituição imediata da ponte de madeira por uma de concreto, atendendo às reivindicações de moradores da Vila Itamar e Recanto Verde.

Júnior Marreca segue entre os mais faltosos na Câmara Federal
Política

Em 2015, deputado do PEN já havia liderado o ranking dos mais faltosos do país

Em um ano marcado pelo agravamento das crises política, financeira e econômica em todo o país, o deputado federal Júnior Marreca (PEN-MA), que já foi prefeito do município de Itapecuru-Mirim, voltou a aparecer entre os parlamentares mais faltosos da bancada federal maranhense na Câmara.

O levantamento foi divulgado pelo Congresso em Foco, na semana passada. Das 290 faltas dos 18 deputados federais do Maranhão na Câmara em 2016, pelo menos 31 foram do deputado do PEN, sendo que três sequer foram justificadas.

Ele ficou atrás apenas do vice-presidente da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), que faltou 37 vezes — sendo todas elas foram justificadas; e João Castelo (PSDB) — que morreu no dia 11 de dezembro — com 35 ausências, também todas justificadas.

As justificativas dos parlamentares para os abonos às faltas foram feitas, em sua maioria, por meio de apresentação de atestados médicos, cumprimento de missões oficiais ou de compromissos políticos no estado.

Em 2015, Júnior Marreca já havia deixado de comparecer em 35 das 125 sessões exigidas. Naquele ano, quando estreou no Câmara, ele chegou a fazer parte do ranking dos 30 parlamentares mais faltosos do país.

Prefeito neo comunista nomeia meio-irmão de Flávio Dino na Infraestrutura
Política

Saulo Dino já havia comandado a pasta de Esportes e Lazer em Imperatriz, em gesto político do então prefeito Sebastião Madeira

O prefeito reeleito de Açailândia, Juscelino Oliveira e Silva, que é neo filiado ao PCdoB, nomeou Saulo Aranha de Castro e Costa, meio-irmão do governador do Maranhão, Flávio Dino, que é do seu mesmo partido, para o comando da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Urbanismo.

O governador Flávio Dino e o meio-irmão Saulo Dino, que mal deixou a secretaria de Esportes de Imperatriz e já assumiu a de Infraestrutura de Açailândia
Divulgação QI alto O governador Flávio Dino e o meio-irmão Saulo Dino, que mal deixou a secretaria de Esportes de Imperatriz e já assumiu a de Infraestrutura de Açailândia

Saulo é filho de ex-deputado, ex-prefeito de João Lisboa e eterno cigano apadrinhado nos governos Sarneys, o ficha-suja Sálvio Dino; e da ex-secretária de Desenvolvimento Social e de Saúde de João Lisboa, Dona Iolete Dino.

O acerto para o acolhimento ao parente de Flávio Dino no primeiro escalão da Prefeitura de Açailância foi revelado pelo ATUAL7 ainda em novembro do ano passado, quando a articulação já havia sido finalizada.

A pasta é uma das mais robusta em recursos públicos na administração municipal.

Ex-atleta de basquete e formado em Direito, Saulo Aranha, mais conhecido como Saulo Dino por causa do pai e do irmão, ocupava anteriormente, desde janeiro de 2015, o comando da secretaria de Esporte e Lazer de Imperatriz. O emprego foi um dos vários gestos do então prefeito da cidade, Sebastião Madeira (PSDB), ao governador do Maranhão — logo após a vitória do comunista nas urnas, em 2014.

À época, Madeira ainda chegou a admitir que tudo não passava de uma ação política.

OAB-MA ingressa com duas ações contra aumento do ICMS
Política

Entidade aponta diversos e graves vícios no processo de aprovação da lei na Assembleia Legislativa. Deputados levaram R$ 1 milhão em emendas, cada, em troca do voto

A Seccional maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou com duas ações questionando a Lei Estadual nº. 10.542/2016, de autoria do governador Flávio Dino (PCdoB), que aumentou a toque de caixa a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Maranhão, após articulação com a base do governo na Assembleia Legislativa em troca de pagamentos de emendas de R$ 1 milhão para cada deputado que votou a favor do aumento.

A primeira é uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), com pedido de liminar no Tribunal de Justiça (TJ) estadual; e a segunda uma Ação Civil Pública (ACP), também com pedido de liminar, na Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís.

Na ADI, a OAB-MA demonstra que a majoração da alíquota de ICMS sobre produtos essenciais como energia elétrica, comunicação e combustíveis - os quais impactam também toda a cadeia produtiva do estado - viola o princípio tributário da seletividade do ICMS, na medida em que torna o referido imposto para estes produtos [essenciais] mais oneroso, ou tão oneroso quanto, o pago sobre produtos considerados supérfluos como fumo, bebidas alcoólicas, embarcações de esportes e de recreação.

Na ação, a OAB destaca que o aumento da alíquota irá impactar diretamente as tarifas de energia elétrica, preços da gasolina, do etanol, telefonia e TV por assinatura, causando graves prejuízos a todos os maranhenses.

Outra violação constitucional apontada pela OAB diz respeito ao princípio do não-confisco, na medida em que a majoração da alíquota do ICMS em momento de severa crise econômica, com evidente redução da capacidade contributiva dos cidadãos importa em indevida e excessiva intromissão do estado na propriedade daqueles.

A Seccional maranhense ingressou também com uma ACP contra a citada lei que aumentou a alíquota do ICMS, apontando diversos e graves vícios no processo de aprovação da lei na Assembleia Legislativa, com destaque para a falta do período de publicidade necessária da lei para debate entre os deputados e para o fato de que a lei altera dispositivos legais inexistentes ou já revogados anteriormente.

Para o presidente da OAB Maranhão, Thiago Diaz, esse aumento na carga tributária é inoportuno tendo em vista um quadro geral de crise econômica e que poderá ser agravado com a quebra de algumas empresas

“Além das violações constitucionais e legais apontadas na ações que ingressamos (ADI e ACP), considero equivocado e abusivo o aumento da alíquota de ICMS pelo Estado do Maranhão neste momento de severa crise econômica e alarmantes índices de desemprego. Entendo que o pagamento de tributo pressupõe a existência de renda, e não vi nos últimos tempos qualquer aumento da renda dos cidadãos e empresas maranhenses a justificar que se aumente ainda mais a já elevada carga tributária de nosso estado. Não podemos correr o risco de quebrar nossas empresas e gerar ainda mais desemprego" afirmou Diaz.

Entenda o caso

Após um elaborado estudo sobre a lei, a OAB-MA averiguou que o Estado do Maranhão agiu de maneira inadequada, no tocante ao aumento da alíquota do ICMS. Vale destacar que tal medida, ainda que justificada pelo Estado do Maranhão de que precisa arrecadar mais em razão da crise econômica, a Ordem entende que essa atitude vai na contramão dos anseios da sociedade, além de desrespeitar relevantes princípios constitucionais.

Segundo o projeto de lei, a partir de março deste ano, quem consumir até 500 quilowatts-hora por mês pagará não mais 12% de ICMS, mas 18%. E quem consumir acima de 500 quilowatts-hora/mês, a alíquota do imposto subirá de 25% para 27%. Assim, a se manter o atual cenário normativo o maranhense vivenciará uma situação tributária em que armas e munições, bebidas alcoólicas e embarcações de esporte e de recreação (todas com 25% de alíquota) sejam menos oneradas pelo ICMS que a energia elétrica para consumidores residenciais que consomem acima de 500 quilowatts/hora, cuja alíquota passou a ser de 27%. Ou seja, neste caso, o Estado do Maranhão está considerando armas e munições mais essenciais que energia elétrica.

“Não se considera razoável que a própria Lei Estadual nº 10.542/2016 promova o aumento da alíquota na tributação da energia elétrica, serviços de comunicação e combustível, por se tratar de serviços/produtos essenciais. Vale destacar que, segundo a referida lei, os serviços de comunicação e de energia elétrica para consumidores que consomem acima de 500 quilowatts/hora aumentariam de 25% para 27%, igualando-os à tributação do fumo e seus derivados, o que é, no mínimo, desproporcional”, afirma o Conselheiro estadual da OAB-MA, Antônio de Moraes Rêgo Gaspar.

Cleomar Tema será eleito como candidato único à Famem
Política

Irlahi Moraes teve candidatura indeferida pela comissão eleitoral. Prefeita de Rosário não conseguiu sanar pendências no registro de chapa

O prefeito reeleito de Tuntum, Cleomar Tema (PSB), que já vinha despontando como franco favorito na eleição para a Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem), será eleito presidente da entidade para o biênio 2017/2018, na próxima segunda-feira 16, como candidato único.

A possibilidade de eleição em chapa única já havia sido antecipada pelo ATUAL7, na última quinta-feira 12, quando quatro prefeitos da chapa opositora, liderada pela mandatária de Rosário, Irlahi Moraes (PMDB), haviam desistido de permanecer na disputa.

A confirmação veio nessa sexta-feira 13.

Ao analisar o processo de eleição para a nova diretoria da entidade, a comissão que coordena o pleito indeferiu o registro de candidatura de Irlahi, por não conseguir sanar pendências no registro de chapa, dentre elas a não substituição dos membros que esvaziaram a composição.

Com o indeferimento da peemedebista, Tema foi confirmado candidato único à presidência da Famem.

A expectativa da comissão eleitoral é de que 95% dos prefeitos eleitos e reeleitos compareçam para a confirmação de voto. A eleição ocorrerá na sede da entidade, localizada no bairro do Calhau, em São Luís. No pleito passado, pelo menos 184, dos 217 prefeitos maranhenses, participaram do processo eleitoral.

Tema tem como principal missão resgatar a Federação dos Municípios do Estado do Maranhão. A entidade foi transformada em terra de cemitério pelo seu atual presidente, o ex-prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim (PDT).

Deputados podem ser liderados por suplente pré-sal na Assembleia do MA
Política

Parlamentares dissidentes chegaram a ensaiar uma rebelião e coleta de assinaturas pela aprovação de emendas impositivas

Deputados estaduais de cacife e tirocínio político podem ser liderados por um suplente pré-sal na Assembleia Legislativa do Maranhão, a partir de fevereiro próximo, quando serão retornados os trabalho na Casa.

Trata-se do suplente de deputado no exercício do mandato, Rafael Leitoa (PDT), que entrou de gaiato no navio com a ida de Neto Evangelista (PSDB) para a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedes) e recebeu do Palácio dos Leões a missão de acabar com a tentativa de rebelião de alguns dissidentes — que, inclusive, ensaiaram na calada a coleta de assinaturas pela aprovação de emendas impositivas, no final de dezembro passado.

A articulação é para que Leitoa assuma o comando de um novo bloco de deputados, formado a partir da divisão do Bloco Parlamentar Unidos pelo Maranhão, o maior em atividade na Assembleia, atualmente com 23 membros. Pelo menos metade do chamado Blocão deve pular para o novo bloco a ser liderado pelo pedetista.

Possivelmente presos pelas mais de 300 auditorias produzidas pela Secretaria de Transparência e Controle (STC), apesar da humilhação, os deputados com experiência de mais de um mandato podem aceitar calados a nova liderança.

Anonymous Brasil repercute tentativa de censura de Flávio Dino ao ATUAL7
Política

Ação foi feita no Facebook do grupo de cyberativismo. Página é seguida por mais de 1,4 milhão de pessoas do país e do resto do mundo

O grupo de cyberativismo Anonymous Brasil repercutiu nas redes sociais a tentativa de censura do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), ao ATUAL7. A ação foi feita na noite dessa quinta-feira 12, na página pessoal do grupo no Facebook, que é seguida por mais de 1,4 milhão de pessoas do país e do resto do mundo.

“Governador do Maranhão do PCdoB - Partido Comunista do Brasil está processando editor do Atual7 e nós pedimos atenção da imprensa que não apoia censura pra ajudar difundir o assunto em seus meios”, conclamou.

O comentário foi feito acompanhado o link para uma publicação do ATUAL7 de abril do ano passado, sobre o número de ações cíveis e criminais movidas pelo comunista contra o editor do Atual7, Yuri Almeida, que à época chegava a cinco, por afirmações que o governador considera injuriosas ou ofensivas.

Em todas Flávio Dino pede indenização por supostos danos morais, além de pedido de tutela antecipada, liminarmente, para que as publicações sejam retiradas do ar. Em nenhuma, porém, ele tem prosperado a censura solicitada. Pelo contrário, Dino tem levado aulas jurídicas sobre liberdade de expressão, informação e de imprensa.

MP do Tocantins investiga secretário de Saúde por abandono, maus tratos e até homicídio
Brasil

Crimes apontados pelo Parquet são decorrentes da desassistência a pacientes

O Ministério Público do Tocantins deu uma aula para o Parquet do Maranhão e encaminhou ao Tribunal de Justiça estadual, na última quarta-feira 11, requisição de abertura de inquérito policial contra o secretário estadual da Saúde, Marcos Esner Musafir (foto), visando apurar diversos crimes decorrentes da desassistência aos pacientes da rede pública estadual e da desobediência de decisões judiciais que visam resguardar o direito à saúde, à vida e à dignidade dessas pessoas.

A requisição de abertura de inquérito é fundamentada em diversos procedimentos administrativos da Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ), os quais apuram a responsabilidade do secretário pela falta de medicamentos na rede pública de saúde estatual, pela não realização de procedimentos médicos, pela interrupção de tratamento oncológico no Hospital Geral de Palmas (HGP), carência de leitos de UTI pediátrica em Araguaína, falta de alimentação enteral e paraenteral para pacientes da UTI do HGP e pelo desabastecimento do Hospital Regional de Araguaína (HRA).

Em razão dessa desassistência, o secretário pode responder judicialmente pela exposição da vida de pacientes a perigo direto e iminente, pelo abandono de incapazes, omissão de socorro, maus-tratos e, inclusive, por homicídio. A requisição, assinada pelo Procurador-Geral de Justiça, Clenan Renaut de Melo Pereira, lista casos pontuais de óbitos que podem estar relacionados à desassistência aos pacientes da rede pública estadual de saúde.

Segundo o chefe da PGJ explica no documento, “entraves administrativos e processuais são colocados em detrimento da prevalência do bem maior: a saúde. No confronto de valores, o aspecto financeiro deve sucumbir ao direito à vida. Em tais casos, há indícios de nexo causal entre a conduta (recalcitrância do Secretário em cumprir ordens judiciais) e o resultado (morte)”.

A requisição explica que liminares e sentenças judiciais referentes à prestação dos serviços públicos de saúde estão sendo descumpridas reiteradamente pelo secretário estadual. Em muitos dos processos judiciais, o poder público sequer se manifesta para prestar esclarecimentos.

“Esse reiterado silêncio denota o descaso e a já citada falta de sensibilidade. Mas o drama é sério e merece resposta à altura, tudo visando salvaguardar as dezenas (quiçá, centenas) de vidas que estão à mercê dessa despreocupação”, enfatiza a requisição do Procurador-Geral de Justiça.

Cópias da requisição de abertura de inquérito serão encaminhadas ao Ministro da Saúde, ao Governador do Estado, ao coordenador do Núcleo Especializado de Defesa da Saúde da Defensoria Pública do Estado do Tocantins, à 5ª Promotoria de Justiça de Araguaína e à 20ª Promotoria de Justiça da Capital, bem como ao próprio secretário estadual da Saúde.

Por ser secretário de Estado, Marcos Musafir tem foro especial. Por esta razão, a investigação da Polícia Civil será realizada sob supervisão jurisdicional do Tribunal de Justiça do Tocantins.

Luis Fernando põe fim à Máfia da Coopmar em São José de Ribamar
Política

Tucano cortou o contrato com a entidade. Serviços de limpeza e condução de veículos serão feitos emergencialmente por outra empresa

O prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando Silva (PSDB), pôs fim à atuação da organização criminosa Cooperativa Maranhense de Trabalho (Coopmar) nas contas do município. A entidade, que funciona como empresa, foi alvo de mega operação conjunta do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), a Polícia Civil e o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), no final de 2016, por desvios de R$ 170 milhões.

Diante da descoberta da máfia, ela teve o contrato cortado pelo tucano.

Por ora, os serviços de limpeza e condução de veículos estão aos cuidados de outra empresa. Conforme prevê a legislação específica, o contrato foi firmado de forma emergencial, enquanto o processo licitatório para a contratação permanece da terceirizada que ficará com os serviços está sendo aberto e, consequentemente, concluído.

A contratação emergencial da nova empresa foi aprovada pela população e servidores municipais, já que a administração pública estava abandonada e os repasses milionários à Coopmar feitos durante a gestão anterior, do ex-prefeito Gil Cutrim (PDT), estão sob suspeita desde a deflagração da Operação Cooperare pela CGU, Polícia Civil e Gaeco.

Segundo o ATUAL7 apurou, entre as várias irregularidades já detectadas pela nova gestão nos contratos efetuados pelo pedetista com a Coopmar, e que serão levadas ao Ministério Público do Maranhão e demais órgãos de controle e fiscalização, estão a falta de orçamento detalhado do termo de referência do processo; descumprimento do que previa o edital de contratação, duplicação de contatos; e violação à Súmula TCU 281, dentre outras.

Além de São José Ribamar, a Coopmar atuava ainda em outras 16 prefeituras maranhenses - Timon, Caxias, Viana, São Mateus, Grajaú, Paço do Lumiar, Coroatá, Peritoró, Rosário, Presidente Dutra, São Domingos do Maranhão, Santa Helena, Santa Rita, Chapadinha, Matinha e Arari -, que seguem investigadas. Ao todo, em apenas três anos, a quadrilha movimentou repasses na ordem de R$ 230 milhões.

A entrada da entidade nas contas dessas outras prefeituras, segundo investigações, teria sido feita sob a indicação da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem), sobre o controle de seu ainda presidente, Gil Cutrim, que emitia pareceres favoráveis à contratação.

PM-MA invade casa sem mandado judicial e destrói tudo
Maranhão

Denúncia é do advogado Diogo Cabral. Ele cobrou do governador Flávio Dino o fim desse tipo de ação

Pelo menos quatro agentes da Polícia Militar do Maranhão invadiram a casa de uma mulher na periferia de São Luís, na noite dessa quinta-feira 12, sem mandado judicial e destruíram a residência. A denúncia foi publicada no Twitter pelo militante e advogado da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), Diogo Cabral, em postagem direcionada ao governador Flávio Dino (PCdoB).

“Flávio Dino, determine que a PMMA cumpra os preceitos do Estado Democrático de Direito e que não invada casas de cidadãos de bem da periferia. Ontem 4 policiais invadiram a casa de uma trabalhadora, negra, da periferia de São Luís. Destruíram tudo, sem mandado judicial”, postou.

Segundo julgamento mais recente do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre esse tipo de situação, de novembro de 2015, a invasão pode ter sido ilegal. Pelo entendimento firmado, a possibilidade da polícia invadir residências sem a necessidade de mandados pode ser executado apenas em situações que envolvam depósito ou porte de drogas, extorsão mediante sequestro e cárcere privado, ou seja, situações que exigem ação imediata da polícia.

Ainda em publicações direcionadas ao governador do Maranhão, Cabral denunciou que invasões da PM-MA em residências na periferia da capital, sem posse de mandados judiciais, são práticas constantes. Para ele, além de refém das facções criminosas, a população fica, ainda, à mercê a truculência policial.

“Essa prática é cotidiana na periferia de SLZ e as pessoas que ali moram são reféns de facções e da truculência policial. Flávio Dino, a lógica de guerra às drogas, além de encarcerar em massa, viola direitos, solapa garantias individuais e Mata”, disse o advogado.

Prefeitos elegem Rodrigo Oliveira para a presidência do Conlagos
Política

Pedetista comandará a entidade durante o biênio 2017/2018

O prefeito reeleito de Olho d’Água das Cunhãs, Rodrigo Oliveira (PDT), foi eleito para a presidência do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Regional dos Lagos Maranhenses (Conlagos), para o biênio 2017/2018. A informação é do blog Mearim Net.

Estiveram presentes à assembleia-geral extraordinária os prefeitos: Marcone Marques (PP), de Cajapió; Vianey Bringel (PSDB), de Santa Inês; Carlos o Bine (PCdoB), de Pio XII; Luana Rezende (DEM), de Vitorino Freire; Ronildo Campos (PP), de Penalva; Conceição de Maria (PP), de São Vicente Férrer; Dulce Maciel (PV), de Satubinha; José Sisto (PDT), de Bacurituba; e Francisco Nascimento (PPS), de Lago Verde.

Após o resultado do pleito, Rodrigo Oliveira defendeu a consolidação do diálogo institucional com os governos estadual e federal. Ele também defendeu a discussão entre os integrantes do Conlagos a respeito de políticas públicas para o avanço do saneamento básico nos municípios e, consequentemente, o fim dos lixões, conforme prevê o Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

“Aceitei o desafio de presidir o Conlagos por entender que é a partir da união que alcançaremos o fortalecimento municipal. Fizemos, por meio do consórcio, o Plano Municipal de Saneamento Básico, atendendo aos prazos previstos pelo governo federal. Isso nos permitirá pleitear recursos para esta área. Sabemos que esse ainda é um problema que muitos dos novos gestores têm pela frente”, declarou.

Prefeitos esvaziam chapa de Irlahi Moraes à presidência da Famem
Política

Pelo menos quatro integrantes pediram pela retirada de seus nomes. Favorito na disputa, Cleomar Tema caminha para ser eleito em chapa única

Restando pouco menos de uma semana para a realização da eleição para a presidência da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem) para o biênio 2017/2018, prefeitos da chapa encabeçada pela mandatária do município de Rosário, Irlahi Linhares Moraes (PMDB), começam a abandonar o barco.

De acordo com informações dos blogueiros Carlinhos Filho e Clodoaldo Corrêa, pelo menos quatro integrantes da chapa da peemedebista resolveram retirar os seus nomes da disputa, alegando de motivos pessoais à falta de tempo para para fazer parte da composição.

São eles: Lindomar Araújo (PROS), de Marajá do Sena; Osmar Fonseca (PT), de Lago do Junco; Luciene Costa (PV), de Bom Lugar; e Maurício Carneiro (PCdoB), de São Benedito do Rio Preto.

Com o esvaziamento em massa, o prefeito reeleito de Tuntum, Cleomar Tema (PSB), que já era franco favorito na disputa em razão do cacife de quem já presidiu a Famem e o farto tirocínio político, caminha para ser eleito para a presidência da entidade em chapa única.

O pleito será realizado na próxima segunda-feira 16, das 8h30min às 17h30min, na sede da Federação dos Municípios do Maranhão, localizada no bairro do Calhau, em São Luís.