Weverton Rocha
STF pode mandar inquérito contra Weverton Rocha para o TJ-MA
Política

Supremo julga hoje regra do foro privilegiado. Pedetista é acusado de irregularidades quando ocupou a secretaria estadual de Esporte e Juventude

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga, nesta quarta-feira 31, se restringe ou não o foro privilegiado de autoridades apenas a eventuais crimes cometidos no exercício de seus mandatos. Ao menos seis dos onze ministros são favoráveis à restrição da regra. Se a mudança proposta for aprovada, dentre os políticos do Maranhão que serão atingidos estão os deputados federais José Reinaldo Tavares (sem partido) e Weverton Rocha (PDT).

Conforme mostrou o ATUAL7 nessa terça-feira 30, se houver restrição ao foro privilegiado, Zé Reinaldo pode ter seu processo mandado direto para a juiz federal Sérgio Moro, da 13º Vara Federal de Curitiba, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância. Ele é acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) dos crimes de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e crime contra o sistema financeiro nacional por haver supostamente cometido ilegalidade quando ainda ocupava o mandato de governador do estado.

Já Rocha, suspeito de ladroagem com dinheiro público quando era secretário de Esporte e Juventude do Maranhão, terá seu processo remetido para o Tribunal de Justiça do Maranhão. Ele é acusado pelo Ministério Público estadual pelos crimes de violação à Lei de Licitações e peculato (desvio de recursos praticado por servidor público)

Ambos negam que tenham cometido qualquer ilícito e garantem inocência.

Para continuarem protegidos pelo foro, regra que garante que autoridades alvos de ações penais sejam julgadas em instâncias superiores da Justiça, os deputados federais maranhenses contam com uma minoria de ministros no STF que, segundo agências de notícias nacionais, trabalha nos bastidores para adiar essa decisão no julgamento de hoje, com um pedido de vistas.

No processo que será julgado logo mais, o ministro Luís Roberto Barroso sugeriu que o foro privilegiado seja aplicado apenas a autoridades que cometeram crimes durante o mandato, relativo ao cargo específico ocupado. Atualmente, o foro especial vale para qualquer crime atribuído a autoridades, independentemente de quando foi cometido e do tipo de crime praticado.

Weverton pede anulação de delação da JBS sobre propina a 1.829 políticos
Política

Pedetista recebeu R$ 100 mil de doação oriunda da empresa. Proposta é defendida por 17 partidos do governo e da oposição

O deputado federal Weverton Rocha (PDT-MA) é um dos líderes da oposição que apresentaram, nessa terça-feira 23, na Mesa da Câmara dos Deputados, proposta que tem o objetivo de criar uma pressão a favor da anulação da delação firmada pelo empresário Joesley Batista e por outros executivos da JBS com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

“Não podemos permitir que tal ‘crime perfeito’ se concretize. (...) Há que se rever a colaboração premiada negociada junto à Procuradoria-Geral da República e homologada pelo Supremo Tribunal Federal, além das bases do acordo de leniência ainda em andamento”, diz o ofício.

A delação que Rocha, líderes do governo Michel Temer e de 16 partidos tentam anular diz respeito a relação de 1.829 políticos que os executivos da JBS afirmam ter pago propina, do governo e da oposição, em um total de quase R$ 600 milhões.

“Mesmo após confessarem o pagamento de propinas pagas durante anos a fio, para diversos políticos, funcionários públicos e partidos (...) os delatores foram beneficiados com o perdão judicial, sem qualquer condenação ou pena privativa de liberdade, e com a possibilidade de seguirem tocando seus negócios criminosos. Mais: saíram com seus respectivos passaportes, o que os possibilita usufruir de suas fortunas em qualquer parte do mundo”, diz outro trecho do documento.

Além das siglas de oposição PDT, PT e PSB, assinam a proposta líderes das bancadas do PMDB, PSDB, DEM, PR, PTB, PP, PRB, PV, Podemos, PEN, PTdoB, PSD, PSL e PHS.

No caso específico de Weverton, até agora, não há informações de que ele tenha sido beneficiado com dinheiro por fora. Segundo o sistema de prestação de contas da Justiça Eleitoral, o deputado federal maranhense chegou a receber R$ 100 mil do PDT em 2014, tendo como doador originário a JBS, porém por meio oficial — quando é devidamente declarada ao Tribunal Superior Eleitoral.

Outro lado

Procurado pelo ATUAL7, Weverton Rocha disse que a doação foi legal e que não atendeu a nenhum interesse da empresa em troca do dinheiro.

“Não se deve criminalizar a doação lícita de campanha. A doação eleitoral era ato legal da democracia e minha atuação parlamentar mostra que nunca atendi a interesses em razão disso”, declarou.

Sobre a proposta que força a anulação de delação da JBS, o pedetista garantiu que a proposta se trata apenas de fiscalização e controle para investigar irregularidades praticadas pelo Grupo J&F e suas empresas, incluindo a JBS, no mercado financeiro e de capitais.

“Não se trata de cancelar o acordo de delação de Joesley Batista, mas de fazer com que os crimes cometidos e confessados por ele tenham consequência. Os objetos das delações devem continuar a serem investigados, e onde houver comprovadamente ilegalidade, os culpados devem ser punidos, todos eles”, defendeu.

No ano passado, o Congresso tentou sem sucesso aprovar uma anistia aos alvos da Lava Jato em meio às notícias sobre a delação da Odebrecht, que também atingiu em cheio o mundo político.

Deputado do MA que prega impeachment de Temer é réu no STF por peculato
Política

Weverton Rocha é acusado ainda de violação à lei de licitações. Caso é referente a contratação e a celebração de termo aditivo para reforma e ampliação do Costa Rodrigues

O deputado federal Weverton Rocha (PDT-MA), ungido pelo próprio partido e pelo PCdoB, PT, PSB, Rede e PSOL como porta-voz do pedido de impeachment do presidente Michel Temer (PMDB) por suposto crime de responsabilidade, prega uma moralidade da qual seu curriculum político está longe de possuir.

Conhecido pelos maranhenses desde sua passagem pela falida UMES (União Municipal dos Estudantes Secundaristas), Rocha carrega entre sua coleção de processos por possíveis práticas contra a administração pública um que o tornou réu, recentemente, no Supremo Tribunal Federal (STF).

O caso em questão é a contratação e a celebração de um termo aditivo para reforma e ampliação do Ginásio Costa Rodrigues, em São Luís. Neste processo, o deputado black bloc é acusado de crime de violações à lei de licitações e peculato, sendo este último quando há desvio de dinheiro público feito por agente público, que no caso, segundo a denúncia aceita pelo STF, é o próprio pedetista.

Assim como faz Temer sobre o áudio da conversa com o empresário Joesley Batista, da JBS, Weverton Rocha também nega que tenha praticado qualquer ilícito e diz que provará ser inocente. “Ao final da ação penal ficará provado que não houve obtenção de vantagem indevida ou injusta (...), não houve superfaturamento ou prejuízos ao erário público”, alega.

Contudo, para o Ministério Público do Maranhão, autor da denúncia, o líder do PDT na Câmara dos Deputados, no período em que era secretário estadual de Esporte e Juventude, atuou de forma irregular, para dispensar licitação para a reforma do ginásio. Na ação, há provas apresentadas pelo Parquet de que houve fraude no procedimento administrativo que redundou na contratação da empresa Maresia Construtora Ltda, tendo em conta omissões, descuidos e condutas irregulares cometidas por Weverton Rocha e assessores na secretarial estadual.

Ainda segundo a denúncia, a reforma do ginásio foi inicialmente contratada por R$ 1.988.497,34 (hum milhão, novecentos e oitenta e oito mil, quatrocentos e noventa e sete reais e trinta e quatro centavos), por meio de dispensa de licitação. Segundo o MP-MA, Weverton aditou o contrato em R$ 3.397.944,90 (três milhões, trezentos e noventa e sete mil, novecentos e quarenta e quatro reais e noventa centavos).

A acusação afirma, também, que Weverton colaborou com o proprietário da Maresia Construções, Leonardo Lins Arcoverde, para que houvesse o desvio dos valores auferidos pelo contrato celebrado com a secretaria em benefício próprio do empresário.

Possível chapa majoritária de Flávio Dino está atolada em escândalos de corrupção
Política

Suspeitas levantadas contra o governador e os deputados José Reinaldo Tavares, Waldir Maranhão e Weverton Rocha são da PGR

Absolutamente todos os possíveis ocupantes das vagas na chapa majoritária de Flávio Dino em 2018 estão atolados em escândalos de corrupção de grande repercussão nacional.

Nenhum deles escapa.

Do próprio governador e candidato a reeleição, suspeito de pegar dinheiro por fora e por dentro da Odebrecht; ao possível candidato a vice-governador, o deputado federal black bloc Weverton Rocha (PDT), réu no Supremo Tribunal Federal (STF) em ação por desvio de dinheiro do Costa Rodrigues; e chegando aos dois possíveis candidatos ao Senado, Waldir Maranhão (PP) e José Reinaldo Tavares (PSB), respectivamente, citado e investigado no Supremo por descobertas nada republicanas feitas pela Procuradoria-Geral da República (PGR), no bojo da Lava Jato, maior esquema de corrupção no país já desbaratado pela Polícia Federal.

Todos correm contra o tempo para provar inocência, mas podem ter a vida pública complicada junto ao eleitorado maranhense, devido à proximidade do pleito do próximo ano.

Weverton Rocha vira réu no STF por peculato
Política

Pedetista é suspeito de ter cometido irregularidades quando ela era secretário de Esporte e Lazer do Maranhão

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) e tornou réu, nesta terça-feira 28, o deputado federal Weverton Rocha (PDT-MA) pelos crimes de violação à Lei de Licitações e peculato (desvio de recursos praticado por servidor público). As informações são do G1.

O pedetista é acusado pelo MPF de irregularidades, em 2009, quando era secretário de Esporte e Juventude do Maranhão, na contratação de uma empreiteira e de dispensa de licitação para a reforma do Ginásio Costa Rodrigues, em São Luís.

O Ministério Público afirma na denúncia que o contrato, com dispensa de licitação, foi fechado inicialmente em R$ 1.988.497,34. Posteriormente, destacou o MP, Weverton Rocha assinou um termo aditivo ao contrato inicial no valor de R$ 3.397.944,90.

A suspeita de irregularidades na contratação da construtora começou a ser investigada pelo Ministério Público maranhense, mas o caso foi enviado ao Supremo quando Weverton Rocha assumiu uma cadeira na Câmara dos Deputados.
Segundo as investigações do MP, houve fraude no procedimento administrativo que contratou a empresa Maresia Construtora Ltda para executar a obra. Os procuradores da República afirmam que houve omissões, descuidos e condutas irregulares por parte de Weverton Rocha.
A denúncia do Ministério Público acusou Weverton de alterar contrato "de forma ilegal", contrariando o que prevê a Lei de Licitações.

Ainda de acordo com os procuradores da República, o dono da empreiteira contratada sem licitação desviou dinheiro da obra para "benefício próprio" com o apoio do então secretário.

Juiz que livrou Sistema Difusora de operação da PF tem filho filiado ao PDT
Política

Sistema de comunicação é controlado por Weverton Rocha. Assinatura de opção de compra acontecia enquanto Polícia Federal deflagrava operação

O juiz federal José Magno Linhares Moraes, da 2.ª Vara da Justiça Federal no Maranhão, responsável pelas decisões da Operação Turing, da Polícia Federal (PF), tem um filho filiado ao Partido Democrata Trabalhista, o PDT.

Peixe graúdo do PDT, Jonas Magno gosta de divulgar fotos ao lado da Alta Cúpula do partido, como esta, sorridente e abraçado a Carlos Lupi
Divulgação/Arquivo Pessoal O filho do magistrado... Peixe graúdo do PDT, Jonas Magno gosta de divulgar fotos ao lado da Alta Cúpula do partido, como esta, sorridente e abraçado a Carlos Lupi

Trata-se de Jonas Magno Machado Moraes, conhecido na Região do Munim como “o doutorzinho”, eleito em 2016 para a Câmara Municipal de Rosário, pela oposição, numa composição partidária que tinha ainda o PCdoB, com o número combinado ao utilizado pelo presidente estadual de seu partido, o deputado federal Weverton Rocha.

O filho de Magno Linhares, que na região é chamado de “M10” é, ainda, candidato de Weverton à Assembleia Legislativa do Maranhão, nas eleições de 2018; e a prefeito de Rosário em 2020.

Proteção da Justiça

A ligação familiar entre o magistrado e o vereador do PDT pode explicar os estranhos e reiterados livramentos feitos tanto ao conglomerado Sistema Difusora de Comunicação, já quase totalmente pertencente ao deputado federal, quanto ao radialista e diretor artístico da Difusora, Antônio Marcelo Rodrigues da Silva, o Marcelo Minard.

Embora apontado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal (MPF) como um dos cabeças de um suposto esquema que tem como figura central o agente da PF Danilo dos Santos Silva, Marcelo Minard teve dois pedidos de prisão preventivas negados pelo juiz federal, mesmo tendo havido decretado a prisão e condução coercitiva de outros blogueiros com base em áudios interceptados do próprio Minard.

Além da gravidade acima que aponta para possível proteção do magistrado, Magno Linhares não se importou em livrar a Rádio Difusora — que, além de ser comandada por Weverton Rocha, tem o seu principal programa retransmitido pelo Governo do Maranhão, em horário de pico, por meio da Rádio Timbira, do governo — de uma ação de busca e apreensão da Polícia Federal.

O ATUAL7 apurou que o livramento teria ocorrido em razão de possível intervenção de Weverton Rocha e do próprio Palácio dos Leões junto ao juiz federal.

Ao tomar conhecimento, quase 10 dias antes da ação da PF, de que a Difusora e Marcelo Minard seriam alvo da Operação Turing, o deputado federal do PDT teria solicitado ao governo que ambos fossem protegidos. Como solução, a Difusora teve um pedido de busca e apreensão negado e Minard foi livrado, por duas vezes, de pedido de prisão preventiva.

No mesmo dia e momento em que a Polícia Federal deflagrava a Operação Turing, inclusive, era assinada a opção de compra da Difusora.

Há, ainda, suspeitas de quem uma mulher nomeada na Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) seja sobrinha de Magno Linhares — aquele que soltou a ex-prefeita do município de Bom Jardim, Lidiane Leite, a “Prefeitura Ostentação”.

Veja quais deputados do MA pediram urgência para texto que tira poderes do TSE
Política

Projeto de lei retira punição a partidos que não prestarem contas

A Câmara dos Deputados aprovou, na última terça-feira 7, pedido de tramitação em regime de urgência de um projeto de lei que confronta uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e reduz a previsão de punições a partidos políticos, envolvendo prestação de contas.

Com a decisão, que teve 314 votos favoráveis, 17 contrários e quatro abstenções, ganha prioridade a tramitação do texto. Até o momento, o projeto sequer tinha relator designado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Agora, proposta já pode ser votada no plenário da Casa nesta quinta-feira 9.

Abaixo, confira quais deputados do Maranhão votaram pelo pedido de urgência para tramitação do projeto (em ordem alfabética por partido):

DEM
Juscelino Filho

PDT
Weverton Rocha

PEN
Junior Marreca

PMDB
Alberto Filho
João Marcelo Souza

PP
Waldir Maranhão

PRB
Cléber Verde

PSB
Luana Costa

PSD
Victor Mendes

PT
Zé Carlos

PTB
Pedro Fernandes

PTN
Aluísio Mendes

Apenas quatro maranhenses votaram contra a “PEC dos gastos públicos”
Política

Dezessete parlamentares do Maranhão participaram da votação na Câmara. Proposta foi aprovada em primeiro turno por 366 votos a favor e 111 contra

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, às 21h35min dessa segunda-feira 10, o corpo principal da polêmica Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, de autoria do Executivo, com mudanças feitas pelo relator, o deputado federal Darcísio Perondi (PMDB-RS), aliado do Planalto.

A chamada “PEC dos gastos públicos”, prioridade legislativa do governo Michel Temer para 2016, recebeu 366 votos favoráveis e 111 contrários, além de duas abstenções. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que conduziu a sessão, optou por não votar. Por se tratar de uma emenda, eram necessários no mínimo 308 votos, o que representa três quintos da Casa.

Em linhas gerais, a PEC não permite que os gastos públicos sejam extrapolados para além da correção inflacionária acumulada do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), pelos próximos 20 anos.

Maranhão

Entre os 18 deputados federais da bancada do Maranhão, apenas quatro votaram contra a PEC 241: Eliziane Gama (PPS), Rubens Pereira Júnior (PCdoB), Weverton Rocha (PDT) e Zé Carlos (PT).

Votaram a favor da PEC os seguintes parlamentares, a maioria esmagadora pertencente à base do governador Flávio Dino (PCdoB): Aluísio Mendes (PTN); Alberto Filho (PMDB); Cléber Verde (PRB); Davi Alves Silva Júnior (PR); Hildo Rocha (PMDB); Ildon Marques (PSB); João Castelo (PSDB); João Marcelo Souza (PMDB); José Reinaldo (PSB); Júnior Marreca (PSB); Juscelino Filho (DEM); Pedro Fernandes (PTB); Victor Mendes (PSD).

O deputado Waldir Maranhão (PP), vice-presidente da Câmara, faltou à sessão.

Perguntas e Respostas

O que é o teto dos gastos públicos?

Impeachment: PDT anuncia apoio a Dilma e punição a dissidentes
Política

Legenda vai orientar o voto contrário a abertura do afastamento da presidente da República

Da Folhapress e Estadão

O líder da bancada do PDT na Câmara, deputado federal Weverton Rocha (PDT-MA), anunciou, nesta quarta-feira 13, que o partido fechou questão e orienta o voto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). “Não é agora, nesse momento, que nós vamos estar pulando do barco como se fôssemos ratos”, disse Rocha.

Segundo o parlamentar maranhense, a nova decisão, que ratificou uma anterior idêntica de janeiro, foi tomada após uma reunião que começou na noite dessa terça-feira 12 e acabou à 1 hora e 30 minutos da madrugada de hoje, na sua residência, com a presença de 19 dos 20 deputados da bancada, do ministro das Comunicações André Figueiredo (PDT-CE), e do presidente nacional da sigla, o ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi.

O deputado ausente foi Mario Heringer (PDT-MG), que no final de 2015 deu indicações de que seria favorável ao impeachment de Dilma Rousseff.

Indagado pelos jornalistas se haverá punições a eventuais dissidentes, Weverton Rocha afirmou que, em maio, o diretório nacional estará reunido e poderá analisar as consequências.

“Se você faz parte de uma agremiação, a instância máxima, que é o diretório nacional, se reuniu, e se você não acompanha, óbvio que você está sendo submetido a qualquer tipo de sanção”, disse Rocha.

A oposição conta com um apoio mais amplo do PDT ao afastamento da presidente, considerando no máximo 12 votos a favor de Dilma, na bancada formada por 20 deputados.

O parlamentar, porém, negou haver um “racha” na bancada. “A nossa reunião foi tranquila, com opiniões divergentes, como é característico de toda agremiação partidária. Cada um tem a sua tese, e é óbvio que você ouve a tese de cada um. Mas a ampla maioria acatou a decisão do partido e vamos todos de forma unânime acompanhar o PDT”, disse o líder da bancada.

Segundo Weverton Rocha, o deputado Heringer “é um dos críticos” no partido, mas iria ter uma conversa com ele nesta tarde. “Tenho certeza de que vai acompanhar também o partido.”

Fachin nega pedido de Weverton para iniciar votação do impeachment pelo Norte
Política

Aliado da presidente Dilma, Rocha entrou com um mandado de segurança no STF contra votação iniciar por deputados do Sul do país

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin negou, na noite desta segunda-feira 11, pedido do deputado federal Weverton Rocha (PDT-MA) para tentar impedir a realização da votação do impeachment, marcado para o próximo domingo 17, e também o procedimento de chamada dos deputados. Rocha é aliado da presidente Dilma Rousseff (PT).

Na decisão, o ministro Edson Fachin argumentou que o Judiciário não pode interferir em questões internas do Congresso. "Não cabe ao Poder Judiciário determinar, preventivamente, ao presidente da Câmara dos Deputados qual é a melhor forma de se interpretar o Regimento Interno dessa Casa Legislativa, especialmente se tal receio surge apenas de matérias jornalísticas que noticiam uma possível interpretação. Descabe, portanto, na hipótese, a intervenção do Poder Judiciário", decidiu.

O mandado de segurança impetrado Rocha mais cedo acusa o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de não manter a imparcialidade na condução do processo, com objetivo de facilitar o impedimento da chefe do Executivo. Entre os pontos citados, Rocha condena a intenção do presidente da Casa de iniciar a votação pelos deputados dos estados do Sul do país, majoritariamente favoráveis ao impeachment. Para ele, a votação deveria ser feita alternadamente, ou seja, um deputado do Norte vota e, em seguida, seria a vez de um parlamentar do Sul.

No pedido, ele sugeriu ainda, como alternativa, estabelecer o critério de ordem alfabética para definir a ordem dos votantes, assim como foi feito em 1992, no processo de impedimento do então presidente Fernando Collor de Mello, hoje senador.

25 nomes que marcaram o cenário político maranhense em 2015
Política

Veja quem são as personalidades de 2015 e como elas mudaram o ano que se encerra, quer por suas qualidades e desempenhos ou não

No século 19, Thomas Carlyle dizia que a história era nada mais do que a biografia dos “grandes homens”. Hoje, pouca gente acredita nisso, mas para contar a história de 2015 na política maranhense é preciso recorrer à história de algumas personagens. Como se verá abaixo, o que os destacou nem sempre foi a “grandeza”. Veja quem são, na opinião do Atual7, as 25 personalidades maranhenses de 2015 e como elas mudaram o ano que se encerra:

Flávio Dino

O primeiro governador comunista do Brasil termina o ano em baixa com todos os setores da população. Dentre tantos erros, Dino ressuscitou e retornou ao Poder quase 100% dos sabujos da Oligarquia Sarney; aplicou contrabandos legislativos para aposentar PMs e aumentar quase mil taxas de serviços públicos, penalizando os mais pobres; cortou o programa que beneficiava quase 1,2 milhão de maranhenses carentes; conseguiu derrubar o acréscimo de 21,7% nos salários bases do funcionalismo público estadual; empregou parentes de secretários e de deputados no governo; não colocou na cadeia nenhum dos prefeitos aliados envolvidos com a Máfia da Agiotagem; acabou com a única escola em tempo integração do Maranhão; negou tratamento especializado a recém-nascido; aumentou o ICMS em meio a crise financeira; maquiou os números da violência na capital; gastou milhões de milhões em aluguel de aeronaves e em publicidade e propaganda; omitiu a morte de detento; e, por último, cortou R$ 42,8 milhões destinados aos Diques da Baixada Maranhense e os enviou para a construção das eleitoreiras estradas vicinais, no município de São João dos Patos, onde disputará o comando da prefeitura local em 2016 com um candidato de seu partido, o PCdoB.

Fernando Sarney

Fernando José Macieira Ferreira Araújo da Costa Sarney, mais conhecido como Fernando Sarney, foi o maranhense que mais se destacou no ano de 2015, colocando o Maranhão, pela primeira vez, no topo do maior esporte do mundo. Vice-presidente da Região Norte da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o dono do conglomerado Sistema Mirante de Comunicação assumiu o cargo de membro do Comitê Executivo da Fédération Internationale de Football Association (Fifa), entidade máxima do futebol mundial.

Edison Lobão Filho

O suplente de senador ganhou pontos com a população maranhense na penúltima semana de dezembro devido a homenagem que fez ao menino Gideão Feitosa, de Governador Nunes Freire. Símbolo da campanha política do peemedebista nas eleições de 2014, o garoto recebeu presentes de Natal para ele e para a família diretamente das mãos de Lobão Filho, que decidiu fazer a surpresa, em gesto que marcou as redes sociais e rodas de formadores de opinião pelo caráter humano e pouco encontrado entre os políticos do Maranhão - e inédito entre aqueles não vitoriosos nas urnas.

Wellington do Curso

Parlamentar de primeiro mandato, Wellington do Curso mostrou que desconhece a palavra "descanso". Destaque da Assembleia Legislativa no ano de 2015, diferenciou-se por não concentrar suas ações somente em um setor ou em um reduto eleitoral, mas em todo o Maranhão. Entre tantos benefícios para a população, o deputado do PPS já carrega em seu histórico a responsabilidade pelo histórico asfaltamento da via que dá acessos aos hospitais do Servidor, que é estadual, e o Socorrão II, que é municipal. A avenida sempre foi abandonada pelo Governo do Estado e pelas prefeituras de Ribamar e de São Luís, até o dia em que o parlamentar gravou um vídeo viral chamando a atenção do poder público para a triste situação. É dele também a luta que culminou na anulação da tarifa abusiva cobrada pela Odebrecht Ambiental à população de Paço do Lumiar e São José de Ribamar, além da revogação da exigência da CNH em inscrição do curso CFO/UEMA.

Charles Dias

Forte candidato à Presidência da Seccional maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o advogado criminalista se tornou um dos principais destaque de 2015 ao decidir retirar a candidatura no início de outubro, em apoio a outro candidato de oposição ao grupo dominante, Thiago Diaz. A movimentação certeira surtiu o efeito planejado e terminou com Diaz eleito para o triênio de 2016-2018.

Thiago Diaz

Lutando contra duas máquinas, o jovem advogado derrotou a candidata apoiada pelo Palácio dos Leões, Valéria Lauande, e pelo presidente da OAB-MA, Mário Macieira, em vitória achapante, pondo fim definitivo ao regime oligárquico que mandava e desmandava na Seccional maranhense há 20 anos.

Mário Macieira

Último representante da última oligarquia da OAB-MA, o ainda presidente da Seccional maranhense não conseguiu eleger sua candidata, e acabou descontando seus próprios erros nos outros. Desacostumado a ser contrariado, fez beicinho e saiu de todos os grupos do aplicativo pelo vazamento da informação. Teve gestão marcada pelo retrocesso, mas jura de pés juntos que entrega a entidade com as contas em dia e dinheiro em caixa.

Fernando Furtado

Suplente de deputado estadual no exercício do mandato, o comunista Fernando Furtado é o dono do prêmio "Racista do Ano". Em um único discurso, ele conseguiu atacar  a Justiça estadual e Federal, o PT, o Incra, a Igreja Católica e os índios. Apesar das burradas, ele fecha o ano dentro do Legislativo, por movimentação do Palácio dos Leões em conluio com as comissões de Direitos Humanos e de Ética, que usaram de burocracia e corporativismo para proteger o colega. Em acinte às entidades que pediram sua cabeça, ele ainda foi colocado pelos colegas para presidir a última sessão legislativa do ano.

Roberto Rocha

Eleito ao Senado Federal em 2014 sob a asa do governador Flávio Dino, ensaiou independência e traição logo no início do ano, mas foi surpreendido por uma batida da Polícia Civil e da Gaeco, que encontrou um cheque pertencente ao seu filho nos cofres do agiota Pacovan, em operações contra a Máfia da Agiotagem. Tagarelou nas redes sociais, mas recolheu-se menos de um dia depois. Nos últimos dias de dezembro, teve seu nome entre os mais citados em todo o Maranhão, não por ter mostrado "o que faz um senador", como prometera em campanha, mas por ter compartilhado em um grupo de WhatsApp a imagem de uma mulher nua e arreganhada, em "imagem subliminar" de "bom dia".

Roberto Albuquerque

Fundador do Grupo Dalcar e Guará, o principal financiar de campanhas políticas do Maranhão não conseguiu suportar a crise que assola o país e colocou a venda as duas as maiores concessionárias de veículos do Maranhão, Dalcar e Cauê de São Luís, no mesmo período em que boatos de fornecedores com pagamentos atrasados e dívidas com bancos ganharam força nos bastidores. A Guará, seu outro empreendimento, também vai mal, muito mal, por não ter conseguido aplicar no Palácio dos Leões projetos milionários que lhe tirariam do buraco da crise e poderiam lhe render audiência acima do traço.

Andrea Murad

Principal calo do Palácio dos Leões na Assembleia Legislativa, a parlamentar do PMDB termina o ano mais forte do que entrou. Além de ser a única integrante da Casa a defender a total independência constitucional do Legislativo em relação ao Executivo, foi em razão de denúncias de Andrea Murad que uma empresa que submetia trabalhadores ao regime de escravidão teve suas portas fechadas. A empresa prestava serviços ao Governo do Maranhão e à Prefeitura de São Luís.

Pacovan

Considerado pelo Ministério Público e pelas polícias Federal e Civil como o maior agiota do Maranhão, o ex-vendedor de bananas Josival Cavalcante da Silva, mais conhecido por políticos e empresários como Pacovan, conseguiu na Justiça, pela quarta vez, a ser posto em liberdade, apesar das operações da Polícia Civil e da Gaeco encontrarem dezenas de documentos que compravam seu envolvimento no desvio de recursos públicos da merenda escolar, medicamentos, e do aluguel de máquinas e carros nos municípios maranhenses. Recentemente, ele também conseguiu na Justiça o desbloqueio de R$ 5.249.841,42 de empresas suas, quase o valor exato do dinheiro afanado dos cofres da Prefeitura de Bacabal, na gestão do ex-prefeito Raimundo Lisboa.

Natalino Salgado

Responsável pelo avanço da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), o ex-reitor fecha o ano em quase unânime reconhecimento público da comunidade universitária, pelo quantidade de obras estruturais desenvolvidas nos campus - a maioria já entregue - e por ter ampliado as fronteiras do conhecimento e aberto novas oportunidades para milhares de jovens no estado. É altamente cotado para vice nas chapas dos principais candidatos a Prefeitura de São Luís, mas afirma reservada e publicamente que não pretende se envolver na política partidária.

Márcio Jerry

Homem forte do governo Flávio Dino, Jerry mostrou ao Maranhão que, após anos e anos estudando como combater a Oligarquia Sarney, acabou virando especialista em suas práticas. Além de empregar a mulher e até o ex-esposo da mulher no governo comunista, ele ainda sinecurou todas as suas cunhadas e um de seus irmãos, e perseguiu aliados espalhando práticas de propinagem dentro do governo. Ele termina o ano ainda ressuscitando o apelido de "Coveiro", ao enterrar a aliança entre o PCdoB e o PDT por querer lavar a alma elegendo o prefeito de Imperatriz em 2016. Além da questão pessoal, o secretário de Assuntos Políticos e Federativos também estaria de olho no super imposto da Suzano Papel e Celulose que passará a ser pago para o município a partir de 2017.

Humberto Coutinho

De padrinho a apadrinhado do governador Flávio Dino, o coronel de Caxias entrou para a história como o presidente mais submisso ao Palácio dos Leões de toda a Assembleia Legislativa do Maranhão. Além de ter sido enrolado na questão das emendas, nem mesmo o vinho e jantar mensal prometido aos colegas conseguiu sequer agendar com o comunista. Também viu seu poder diminuir em relação a candidatura ao Senado nas eleições de 2018. Teve como única vitória a pesada luta contra o câncer.

Sidney Pereira

Então vice-prefeito de Anajatuba, o dono de empresa fantasma ganhou o comando dos cofres da cidade após estranho e intransparente acordo com o Ministério Público do Maranhão, mesmo tento atuando na mesma organização criminosa que saqueou a Prefeitura de Anajatuba. Sidney Pereira é exemplo vivo de que "o crime compensa".

Weverton Rocha

Referência do PDT nacional, o deputado black bloc foi um dos mais atuantes parlamentares maranhenses de todo o Congresso Nacional em 2015, o que lhe rendeu a acensão ao alto clero da desejada lista anual do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), que o considerou como um dos principais "operadores-chave" do processo legislativo. Saiu de licença numa manobra arrojada para dar lugar a Rosângela Curado por 120 dias, em contundente resposta a uma manobra do Palácio dos Leões. Por ter filiado as principais lideranças com chance de eleição ou reeleição em 2016, é reconhecido como único em todo o Maranhão a ameaçar concretamente a hegemonia dinista, inclusive com o poder de derrubar a candidatura de Flávio Dino em 2018.

Eliziane Gama

Dona da maior votação para a Câmara Federal, a deputada ganhou destaque pelas movimentações erradas mas que deram certo na promoção de sua pré-candidatura a Prefeitura de São Luís em 2016. Embora estagnada nas pesquisas, fecha o ano em liderança absoluta. Sofreu certo desgaste junto ao eleitorado por ser contra a redução da maioridade penal, mas ganhou novos adeptos pela excelente desenvoltura na CPI da Petrobras e pela independência que mantém em relação ao impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

Neto Evangelista

Se alguma entidade distribuísse esse tipo de prêmio, o secretário de Desenvolvimento Social do Maranhão seria o vencedor unânime do troféu "covarde do ano". O tucano foi a vergonha política de 2015, ao silenciar ao ato de truculência do governador Flávio Dino para com a sua sogra e prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge. Apontado no início do ano como um dos principais concorrentes à Prefeitura de São Luís em 2016, fecha o ano entregando sopas e calado, após tentar comprar briga, mas ser atropelado pelo neófito Fábio Macedo.

André Gossain

O excelente trabalho que vinha desenvolvendo a frente da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) não foi suficiente para manter o delegado no cargo. Embora tenha caído, destacou-se positivamente em 2015 por, somado ao que fez enquanto titular da Seic, ter enquadrado e desmentido publicamente o titular da SSP-MA, delegado Jefferson Portela, anilhado do Palácio dos Leões. Outros delegados que também caíram do cargo este ano preferiram silenciar.

Cleonice Freire

A ex-presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão fechou o ano manchada por greves e, principalmente corrupção, do alto ao pé de sua toga. Ele também colecionou dezenas de críticas de magistrados, que não encontraram nos fóruns sequer água para beber ou papel para qualquer tipo de serventia.

Alexandre Saraiva

O superintendente Regional da Polícia Federal no Maranhão faltou com a verdade em entrevista coletiva sobre a Operação Sermão aos Peixes e evitou explicar à imprensa, quando solicitado via assessoria, os motivos que o levaram a não prender a quadrilha que atuou nos governos Zé Reinaldo, Jackson Lago e que atua no governo Flávio Dino saqueando os cofres da Saúde. Apesar do relatório relacionado à operação estar recheado de provas contra as três gestões, Saraiva decidiu concentrar a declaração da Sermão aos Peixes apenas na gestão do ex-secretário Ricardo Murad.

Ricardo Murad

O ex-secretário de Saúde do Maranhão foi perseguido pelo Palácio dos Leões, enfrentando com a coragem que lhe é peculiar a abertura de uma CPI na Assembleia Legislativa, direcionada apenas para o período em que esteve a frente da SES. A CPI morreu no nascedouro. Recentemente, também foi alvo de uma operação direcionada na Polícia Federal, a Sermão aos Peixes, que embora tenha encontrado diversos casos de corrupção nos governos Zé Reinaldo, Jackson Lago e até no governo Flávio Dino, resolveu concentrar esforços apenas em Murad. Nenhum dos três pedidos de prisão feitos pela PF contra ele foi aceito pela Justiça, por "fragilidade" de provas. Murad mostrou ainda força ao pautar o governo Flávio Dino, durante todo o ao de 2015,  por meio do perfil pessoal que mantém no Facebook.

Lidiane Rocha

A ex-prefeita de Bom Jardim ficou conhecida nacional e internacionalmente por ostentar nas redes sociais enquanto as crianças do municípios não tinha aulas e as escolas estavam sucateadas e sem merenda escolar. Chegou a desmoralizar a Polícia Federal, por nunca ter sido encontrada, mas acabou se entregando após um acordo esquisito com a Justiça Federal. De volta as redes sociais, voltou a ostentar, e ainda acusou a imprensa de "não ter Deus no coração" por julgá-la como corrupta.

Roseana Sarney

Quem acreditou que a ex-governadora havia se aposentado da política cometeu um erro de avaliação. De recesso das decisões políticas desde o ano passado, a peemedebista ressurgiu enquadrando o governador Flávio Dino, por tentar desviar a opinião pública sua de incapacidade de governar. Autora de quase todas as grandes obras construídas na capital, passou a ter seu nome cogitado a disputar a Prefeitura de São Luís em 2016 - com os olhos voltados para o Executivo estadual em 2018, devido a popularidade de Dino estar cada vez mais bicando. Assumiu o comando do PMDB maranhense, mas indicou e trabalha pela escolha do vereador Fábio Câmara no PMDB para a disputa municipal majoritária da capital.

CCJ aprova substitutivo de Juscelino Filho que dá ‘direito ao esquecimento’ para políticos
Política

Com medida, Weverton Rocha poderia solicitar, por exemplo, a retirada de qualquer conteúdo na internet sobre as acusações de quando era secretário de Esporte e Juventude

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara Federal aprovou sem mudanças, nessa terça-feira 6, a íntegra do substitutivo apresentando pelo deputado maranhense Juscelino Filho (PRP), relator do projeto de lei (PL) 215/2015, que permite a qualquer cidadão requerer, judicialmente, a retirada de conteúdos da internet que se referem a crime do qual tenha sido absolvido. A medida foi apelidada de “direito ao esquecimento”.

O texto terá ainda que ser submetido ao plenário da Câmara. Porém, da forma como foi redigido, abre brecha para que políticos possam retirar da rede menções a processos que sofreram, se absolvidos. O projeto também aumenta em um terço a pena para crimes contra honra cometidos pela internet.

Substitutivo de Juscelino Filho ao 215/2015 dá direito à políticos da estirpe de Weverton Rocha de terem passado 'esquecido' na internet
Agência Câmara Ex-transgressor Substitutivo de Juscelino Filho ao 215/2015 dá direito à políticos da estirpe de Weverton Rocha de terem passado 'esquecido' na internet

De acordo com o texto aprovado pela CCJ que modifica o Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14), qualquer indivíduo terá direito a requisitar judicialmente a indisponibilidade de conteúdo [na internet] que associe seu nome ou sua imagem a crime do qual tenha sido absolvido com trânsito em julgado ou a fato calunioso, difamatório ou injurioso.

A medida, por exemplo, abre brecha para que o deputado federal licenciado Weverton Rocha (PDT-MA) possa ingressar na Justiça para que seja retirada qualquer citação ao seu nome sobre os processos que respondeu no Supremo Tribunal Federal (STF) que tenha sido absolvido, como no caso da acusação de que teria intermediado o empréstimo de 1.080 mil colchões — que tinham a finalidade de socorrer vítimas de enchentes — para uso de participantes de evento organizado pelo PDT em apoio ao então governador Jackson Lago, que enfrentava processo de impeachment.

Citando um outro exemplo de conhecimento em nível nacional, o do senador Fernando Collor (PTB-RJ), que também poderia fazer o mesmo que Weverton para que fosse retirada da internet qualquer menção ao seu nome sobre as acusações de falsidade ideológica, peculato e corrupção passiva, referentes à época em que ele era presidente da República, entre 1990 e 1992 — quando sofreu impeachment —, deputados do PT, PSOL, PCdoB e PSB sustentaram que, devido ao viés conservador e restritivo das liberdades na internet, a medida fere a liberdade de expressão e inconstitucional, por se tratar de censura. Os parlamentares não concordaram que se abra direito a quem foi absolvido de retirar da internet a informação de que foi processado.

Além desse ponto polêmico, durante a elaboração do substitutivo , o deputado Juscelino Filho chegou a ceder a contra gosto em alguns pontos, como no de retirar do texto outro ponto polêmico e apontando por especialistas como igualmente inconstitucional: o que permitia o acesso irrestrito a dados de internautas — por integrantes do Ministérios Público e da Polícia — sem autorização judicial.

O texto original do PL 215/2015, do deputado Hildo Rocha (PMDB-MA), era sucinto e se limitava a apenas aumentar em um terço as penas dos crimes de calúnia, injúria e difamação, quando cometidos por meio de redes sociais. A ele, porém, foram apensados o PL 1547/2015, do deputado Expedito Netto (SD-RO), e o PL 1589/2015, da deputada Soraya Santos (PMDB-RJ). No caso, foi o apensado de Soraya - defendido por Juscelino - que introduziu no PL as modificações ao Marco Civil da Internet, implicando na violação a direitos fundamentais do cidadão, quais sejam, os de sigilo de correspondência, comunicações e de dados.

Contra o projeto

O Conselho de Comunicação do Congresso Nacional se posicionou contra o projeto, assim como o Comitê Gestor da Internet no Brasil que, na semana passada, editou uma resolução que diz que o projeto subverte “os princípios e conceitos fundamentais da Internet” ao propor o estabelecimento de “práticas que podem ameaçar a liberdade de expressão, a privacidade dos cidadãos e os direitos humanos em nome da vigilância, bem como desequilibrar o papel de todos os atores da sociedade envolvidos no debate”.

PCdoB, PP e PDT trabalham para eleger Jerry a prefeito e Weverton para o Senado
Política

Plano de permanência no poder funcionará em especie de escadinha e, se aceito pela população, alcança quase duas décadas

O plano, na cabeça dos chefões do PCdoB, PP e PDT no Maranhão, é simples e não precisa combinar com a população, ainda inebriada com a vitória de Flávio Dino em 2014 pelo fato do comunista ter derrotado a cinquentenária Oligarquia Sarney - com ajuda de sabujos do próprio Clã.

Para manter a hegemonia das legendas, os caciques preparam uma especie de escadinha de cargos eletivos, onde alguns sentariam no poder mesmo sem ter ganhado um único voto, e que terminaria com Flávio Dino (PCdoB) na Presidência da República, Weverton Rocha no Senado Federal, Edivaldo Holanda Júnior do governo do Maranhão e Márcio Jerry na Prefeitura de São Luís.

O plano começa nas eleições de 2016, com o secretário de Articulação Política e Assuntos Federativos encabeçando a chapa de reeleição do prefeito Edivaldo Júnior como vice. Se eleitos, Edivaldo deixa a prefeitura dois anos depois, em 2018, e passa a ser vice de Flávio Dino na disputa do comunista pela reeleição, abrindo a prefeitura para Jerry, autor do plano, assumir mesmo ser ter ganho um único voto.

Eleitos Dino e Edivaldo a governador e vice-governador do Maranhão, mais quatro anos depois, em 2022, o comunista concorrerá à Presidência da República, e a disputa pelo comando do Palácio dos Leões será do pedetista.

A partir daí, se a população continuar inebriada, os partidos aliados em subserviência e os de oposição amedrontados, o plano pode ainda se estender por mais oito anos, com Márcio Jerry como vice de Edivaldo no Executivo e, logo depois, assumindo o controle do Estado como governador de fato e finalmente de direito.

Black bloc no Senado

No plano, a entrada de Weverton Rocha se dá somente em 2018, como um dos candidatos do grupo ao Senado Federal - a outra vaga já está garantida para o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho, que sairá do PDT para concorrer por outro partido.

Para garantir a vaga e apoio, Weverton sacrificará dois anos antes, em 2016, a Prefeitura de Imperatriz, negando legenda para a odontóloga Rosângela Curado na época das convenções, para ceder espaço para o delegado Assis Ramos, do PP, em acordo fechado com o vice-presidente da Câmara Waldir Maranhão, que lhe embarcará na empreitada.

À Curado, restará os dois anos restantes de mandato de deputada federal. Waldir, que não disputará o Senado para apoiar Weverton Rocha, continuará na eleição como deputado federal, aguardando a disputa por uma das vagas do Maranhão na Câmara Alta em 2026. Em 2030, Márcio Jerry será o candidato único do novo Clã maranhense ao Senado.

Quatro deputados do MA são investigados no STF por suspeita de corrupção
Política

Levantamento é do Congresso em Foco. Líder da bancada teria repassado o salário de um emprego fantasma para o filho, que é vereador em São Luís

Levantamento do Congresso em Foco apontou que dos 18 deputados federais o Maranhão, quatro respondem a inquéritos ou ações penais no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de corrupção. Isso quer dizer que mais de 25% da bancada federal maranhense é suspeita afanar recursos públicos.

Os deputados do Maranhão citados pela reportagem do Congresso em Foco são Weverton Rocha (PDT-MA), João Castelo (PSDB-MA), Waldir Maranhão (PP-MA) e Pedro Fernandes (PTB-MA).

O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, por exemplo, que é investigado na Operação Lata Jato, da Polícia Federal, responde atualmente a três inquéritos (3989, 3794 e 3797 ) por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e formação de quadrilha

Já o líder da bancada maranhense Pedro Fernandes é investigado no inquérito 3728 por peculato e abuso de poder. Apura-se a nomeação de um servidor da Câmara, indicado pelo deputado para o cargo de natureza especial de Assessor Técnico (CNE-7), mas que não teria exercido a atribuição respectiva, apenas repassando os valores obtidos com o emprego fantasma ao filho do parlamentar, Pedro Lucas Fernandes, que é vereador em São Luís.

Ex-prefeito da capital do Maranhão, João Castelo responde à Ação Penal 939 e a dois inquéritos (4047 e 4058) por crimes de responsabilidade e contra a administração pública em geral.

Apesar de já ter se livrado de outras graves acusações de gatunagem, o deputado federal Weverton Rocha, que no ranking do Diap foi classificado como operador, responde ações penais 683 e 700, além do inquérito 3621 por crimes contra as leis de licitações.

Com exceção de Castelo, que não quis se manifestar sobre o assunto, todos os outros três parlamentares do Maranhão declararam que não há provas concretas que os coloque na pecha de políticos corruptos.

Sarney Filho é o único maranhense a integrar lista dos 100 mais influentes do Congresso
Política

Lista é do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, que classificou o deputado como um dos 'Cabeças' do Congresso Nacional

O deputado federal Sarney Filho (PV-MA), líder do Partido Verde, foi o único maranhense a integrar a lista divulgada na tarde dessa segunda-feira 31 pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), formada por 100 parlamentares, entre senadores e deputados, mais destacados do Congresso Nacional no ano de 2015, os chamados "Cabeças" do Congresso Nacional.

Esta não é a primeira vez que o parlamentar maranhense aparece na lista dos 100 mais influentes do Congresso. Durante o mandato anterior, ele já integrava os rankings anuais, sendo agora, também, o único do Partido Verde a aparecer na lista, que inclui apenas os parlamentares que estavam no efetivo exercício do mandato no período de avaliação, correspondente ao período de fevereiro a julho deste ano.

Formulador

Na definição do Diap, os "Cabeças" são aqueles que conseguem se diferenciar dos demais pelo exercício de todas ou algumas das qualidades e habilidades de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações, seja pelo saber, senso de oportunidade, eficiência na leitura da realidade, que é dinâmica, e, principalmente, facilidade para conceber ideias, constituir posições, elaborar propostas e projetá-las para o centro do debate, liderando sua repercussão e tomada de decisão.

Na lista, Sarney Filho aparece entre os 20 principais "formuladores" da Câmara dos Deputados, que são os parlamentares que se dedicam à elaboração de textos com propostas para deliberação.

Lava Jato

Em tempos de Operação Lava Jato, o Diap teve de incluir uma observação importante: a avaliação leva em consideração tão somente a influência dos parlamentares, logo, questões éticas e morais não são levadas em conta. “O fato de ser influente não significa, necessariamente, que utilize sua influência apenas para o bem”, diz o relatório.

Weverton Rocha é operador

Além dos 100 "Cabeças”, o Diap divulgou ainda levantamento incluindo outros parlamentares que, mesmo não fazendo parte do grupo dos 100 mais influentes, estão em plena ascensão, podendo, mantida a trajetória ascendente, estar futuramente na elite parlamentar, os chamados "operadores-chave" do processo legislativo. Pelo Maranhão, apenas o deputado federal Weverton Rocha (PDT) apareceu como operador no Congresso nacional, podendo ascender no próximo ano para a classificação de negociador.

Acesse e baixe a lista completa dos 100 Cabeças do Congresso Nacional.

Oligarquia do PDT assume oficialmente o controle dos cofres da Prefeitura de São Luís
Política

Partido está na Prefeitura de São Luís desde 1989. Preponderância Weverton Rocha no Executivo municipal aumenta com a filiação de Edivaldo Júnior

Na eleição do ano passado, muito se falou em fim da oligarquia, que um mesmo grupo político controlava o estado há quase 50 anos, que a população precisava se libertar do cabresto controlado por esse nefasto regime político. Com o discurso de que era salutar para a democracia a alternância do poder, capitaneado em grande parte pelo comunista Flávio Dino, conquistou-se então o eleitorado maranhense e, principalmente, o da capital.

Convidado de honra, governador do Maranhão é um dos que aprova a oficialização da oligarquia partidária na Prefeitura de São Luís
Divulgação/PDT Patrono das oligarquias municipais Convidado de honra, governador do Maranhão aprova a oficialização da oligarquia partidária na Prefeitura de São Luís.

De fato, é importante e necessário para a democracia que exista alternância de poder. No entanto, a questão é que, em São Luís, existe uma oligarquia partidária, conhecida pela alcunha de PDT, que controla o Poder Executivo municipal há quase três décadas e que, em caso de reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que ingressou nessa oligarquia na manhã desta sexta-feira 28, a população de São Luís ficará por mais quatro anos sob a preponderância do PDT na capital.

E pior, sobre o controle do chefe do PDT no Maranhão, o famigerado deputado black bloc Weverton Rocha.

Desde 1989, com a eleição de Jackson Lago, o PDT sempre esteve presente em todas as gestões de São Luís, transformando o Palácio de La Ravardière, sede da prefeitura, em uma espécie de sede extra oficial do partido, seja por meio do abocanhar de pastas rentáveis, cargos de segundo e terceiro escalão, além de boquinhas em serviços prestados ou de comissão, seja por meio do direcionamento de contratos públicos para empresários aliados.

Agora, com Edivaldo Holanda Júnior fazendo parte do partido liderado por Weverton Rocha, a oligarquia partidária do homem que sumiu com o dinheiro do Costa Rodrigues não apenas aparelhará o Executivo municipal, como terá também o total controle sobre os cofres públicos.

Assim, quando se fala em oligarquia, a população de São Luís pode se vangloriar de ter derrubado do poder o último oligarca do país, nas eleições de 2014, mas deve também se lembrar que, em São Luís, ainda existe e agora tem mais força a mais antiga oligarquia de uma capital brasileira. E se os problemas de São Luís em educação, saúde, segurança pública, saneamento, transporte e mobilidade urbana sempre perduraram com o PDT apenas fazendo parte da administração, como não será se, agora na cadeira de chefe, você der mais 4 anos pra eles?

Aeronaves: Heringer Táxi Aéreo foi pivô da queda de Carlos Lupi por corrupção
Política

Empresa de Imperatriz garfou licitação de R$ 13,9 milhões do governo Flávio Dino pela locação de duas aeronaves

A Heringer Táxi Aéreo, que fez a campanha eleitoral comunista de 2010 e garfou a licitação de 13.9 milhões de reais pelo aluguel de duas aeronaves para o governo Flávio Dino, ganhou fama nacional num dos maiores casos de maracutaia do país.

Prestadora de serviços de campanha levou licitação dinista de R$ 13,9 milhões
Reprodução Só coincidência Prestadora de serviços de campanha levou licitação dinista de R$ 13,9 milhões

Sediada em Imperatriz, segunda maior cidade do Maranhão, a empresa pertence aos sócios Aloísio Pedro Heringer e Eurídice Carneiro Heringer, e foi pivô na queda do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, do Ministério do Trabalho e Emprego, em 2011, por corrupção.

Sétimo ministro a ser vassourado no primeiro ano do governo Dilma Rousseff, Lupi foi flagrado em viagem oficial ao Maranhão em um avião particular que teria sido pago pelo dono de três ONGs que possuía contratos milionários com a pasta. Em sua defesa, o pedetista afirmou que o périplo pelo interior do estado foi financiado pelo diretório estadual, em um Embraer 810 Sêneca, de prefixo PT-RMT, administrado pela Heringer.

Além de um vídeo e dezenas de fotos desmentirem o ex-ministro do Trabalho, o então presidente do diretório regional do PDT do Maranhão, o médico Igor Matos Lago - que é filho do já falecido ex-governador maranhense -, negou toda a versão dada por Lupi, o que acabou reforçando as suspeitas de que os custeios da Heringer Táxi Aéreo também foram pagas pelo empresário Adair Meira, chefão das ONGs acusadas de subtraírem dinheiro público federal.

Na época em que o escândalo ganhou as páginas nacionais, o Maranhão também foi envergonhado por um dos tripulantes de outra aeronave supostamente paga por Meira para as viagens pedetistas em sete municípios do estado se tratar do conhecido deputado federal Weverton Rocha, já enrolado em outras ações de metida de mão no pote.

Um outro fato que também chamou atenção na tramoia é que o Sêneca utilizado por Lupi estava registrado em nome do empresário José Cursino Brenha Raposo, dono do conglomerado faturante Pacific Segurança e Vigilância Ltda, Colt Brasil Segurança Privada Ltda e Exata Segurança Patrimonial Ltda, comprovando as suspeitas de que a Heringer Táxi Aéreo tem o costume fechar contratos  - como o garfado no governo comunista - sublocado aviões de terceiros.