Márcio Jerry
MP pede que Seccor abra inquérito contra Márcio Jerry por corrupção
Política

Secretário é suspeito de oferecer dinheiro para liderança indígena encerrar protesto contra o governo. Simone Limeira, ex-secretária especial de Flávio Dino, também deve ser investigada por propinagem

A juíza Patrícia Marques Barbosa, titular da 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Maranhão, solicitou à Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (Seccor) que instaure inquérito policial criminal contra o o secretário estadual de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry Barroso, e a ex-secretária especial do governador Flávio Dino, Simone Limeira, por corrupção passiva.

O pedido tem por base investigação iniciada pelo Ministério Público Federal (MPF) a partir de representação feita pelos deputados Andrea Murad (PMDB) e Sousa Neto (PROS) em outubro de 2015, e encaminhada à promotora de Justiça Moema Figueiredo Viana Pereira, da 3ª Promotoria Justiça de Defesa do Patrimônio e da Probidade Administrativa, em agosto de 2016.

Robusto, o processo contém mais de 150 folhas, e está parado na Seccor desde a solicitação para abertura das investigações.

De acordo com os autos, Márcio Jerry é suspeito de haver oferecido dinheiro ao líder indígena guajajara Uirauchene Alves, para que ele paralisasse manifestações de índios que acamparam em frente ao Palácio dos Leões e na Assembleia Legislativa do Maranhão, em protesto contra os atrasos da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) no pagamento do transporte escolar para a região de Grajaú.

Já contra Simone Limeira, pesa a suspeita de que ela teria pedido e recebido propina de Uirauchene, para que fosse agilizada a liberação desses recursos do transporte escolar. À época da denúncia, ela chegou a entregar o cargo, sob a promessa de que mostraria ter sido acusada indevidamente. Até hoje, porém, ela nunca se manifestou sobre o assunto.

O ATUAL7 solicitou por e-mail à Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap) e à Delegacia-Geral da Polícia Civil, respectivamente, um posicionamento e o andamento do pedido de abertura de inquérito policial criminal, e aguarda retorno. A ex-secretária especial de Flávio Dino não foi localizada pela reportagem.

Mais votado ou sequer eleito: futuro de Márcio Jerry depende do eleitor
Política

Secretário é pré-candidato a deputado federal pelo PCdoB. Serão 18 vagas disponíveis

Amado — ou apenas bajulado — por quem tem sido beneficiado no governo Flávio Dino e odiado por aqueles que tem sobrevivido à míngua. O secretário estadual de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry Saraiva Barroso (PCdoB), será testado pela segunda vez nas urnas em 2018, quando disputará uma das 18 cadeiras a que tem direito o Maranhão na Câmara dos Deputados.

Como o regime comunista prega o fim do coronelismo e do voto de cabresto, ou mesmo sentando na mesma cadeira do governador em relação aos cofres do Estado, pouco importa quem apoia ou quem trabalha contra Jerry.

A decisão sobre o futuro político do comunista dependerá, exclusivamente, do eleitor maranhense, que poderá elegê-lo como mais votado, acabando com a sua fama de coveiro-político, ou sequer elegê-lo, empurrando-o mais fundo ainda para a cova, como um sem votos.

Se depender dos seguidores do ATUAL7 nas redes sociais, por exemplo, como mostra enquete feita recentemente no microblogging Twitter, a maioria esmagadora decidirá pela segunda opção, repetindo a resposta das urnas nas eleições de 2006, quando Márcio Jerry se arriscou a deputado estadual pelo PT e obteve apenas pouco mais de 3 mil votos, o que à época representou míseros 0,11% dos votos válidos e, atualmente, mal dá pra eleger um vereador em São Luís.

Márcio Jerry lança pré-candidatura a deputado federal
Política

Secretário é uma das prioridades do PCdoB para 2018. Ele tem orçamento de R$ 58,916 milhões em ano pré-eleitoral

O secretário de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry Saraiva Barroso (PCdoB), oficializou sua pré-candidatura a deputado federal em 2018. O ato ocorreu no último sábado 18, no município de Paraibano.

“Eu quero dizer a vocês que a partir de agora são cúmplices desta que é a primeira reunião que faço na condição de pré-candidato a deputado federal”, anunciou o comunista.

Segundo o site Paraibano News, estiveram presentes no evento o prefeito do município, Zé Hélio (PT), além dos prefeitos de Nova Iorque, Mayra Guimarães (PSL); de Fortuna, Arlindo Filho (PDT); e de Mirador, Roni de Sousa (PCdoB). Ex-prefeitos dos municípios do sertão maranhense também se fizeram presentes.

Com orçamento em ano pré-eleitoral inflado pelo governador Flávio Dino para R$ 58,916 milhões, Márcio Jerry é uma das prioridades do PCdoB, que ele próprio preside no Maranhão, para o pleito do ano do próximo ano.

Recentemente, embalado pelo silêncio e cegueira do Ministério Público Eleitoral (MPE), ele passou a coordenar um programa de forte apelo eleitoreiro, bancado com recursos públicos.

Mas, segundo afirmou Jerry ao lançar sua pré-candidatura, a entrada de seu nome no jogo aconteceu de forma natural.

“Isso de candidatura ocorreu naturalmente como tem que ser as coisas, uma pessoa foi lembrando daqui, outra dacolá e fui sendo estimulado pelos companheiros e companheiras que conhecem a minha trajetória de vida e de atuação política”, garante.

Dino e Jerry podem responder por improbidade por propaganda falsa
Política

Governo divulgou publicidade enganosa sobre o programa Escola Digna. Documento oficial entregue pelo secretário Felipe Camarão também não condiz com a realidade

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e o secretário estadual de Comunicação Social e Assuntos Políticos, Márcio Jerry Barroso, podem responder por improbidade administrativa por supostamente haverem autorizado o pagamento e a divulgação de propaganda institucional com informações falsas a respeito do programa Escola Digna.

A descoberta foi feita após solicitação de informações pelo deputado estadual Wellington do Curso (PP) a respeito das atividades do programa, há cerca de um mês. Inicialmente, o pedido chegou a ser negado pela base governista na Assembleia Legislativa do Maranhão, que acabou cedendo diante da pressão popular nas redes sociais ao secretário estadual de Educação, Felipe Camarão.

Segundo a publicidade governamental espalhada em diversos outdoors e outbus, principalmente em São Luís, o Palácio dos Leões já teria reformado ou totalmente construído 574 escolas, por meio do Escola Digna. Contudo, documentos oficiais encaminhados à Casa por Camarão desmentem a propaganda do governo, informando que apenas 354 escolas foram reformadas ou construídas.

Em tese, o governo cometeu improbidade administrativa, lesão ao patrimônio público e, possivelmente, diante da proximidade das eleições e da autopromoção, crime eleitoral. Qualquer que tenha sido a incorreção, cabe ao Ministério Público o acompanhamento e ajuizamento de ação na Justiça.

Além do progressista, a deputada Andréa Murad (PMDB), que também questionou os números da propaganda oficial do governo com base no documento apresentado pelo titular da Seduc, promete acionar Flávio Dino e Márcio Jerry em razão da falsa informação disseminada com dinheiro público.

“O governador está gastando milhões para financiar uma campanha de obras em escolas que não estão acontecendo. No comercial tem 574 novas escolas e nos relatórios têm números bem inferiores. Quero adiantar que vou ajuizar uma ação contra Flávio Dino e Márcio Jerry pelo ato lesivo de tentar ludibriar a população pela veiculação de propaganda enganosa”, garantiu.

Reforma fantasma

Além de ter divulgado informação enganosa na propaganda oficial, o Palácio dos Leões pode ainda ter repassado números falsos aos deputados estaduais, o que pode caracterizar crime de responsabilidade.

Nessa segunda-feira 22, Wellington revelou que uma das escolas apontadas nos documentos apresentados por Felipe Camarão como reformada estaria, na verdade, com as obras paradas.

Trata-se do Centro Escolar (CE) Professor Antônio Carlos Beckman, mais conhecido como Bandeirantes, que fica no município de Açailândia.

De acordo com a placa colocado pelo Governo do Maranhão no local, a obra de reforma e ampliação da unidade escolar está orçada em quase R$ 537 mil, tendo como prazo de 120 dias para a conclusão. O dinheiro, segundo a placa da obra, é oriundo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Na planilha do programa Escola Digna estregue por Camarão aos deputados estaduais, o CE Bandeirantes é apontado entre as escolas com a reforma já totalmente concluída. Contudo, conforme imagens divulgadas pelo progressista após visita ao local, a unidade ainda se encontra em reforma há quase um ano, e distante de ser concluída. O próprio Wellington levantou a possibilidade do governo haver cometido improbidade.

“O governo enviou ofício à Assembleia Legislativa com a relação das escolas reformadas ou reconstruídas, e consta no documento que a Antônio Carlos Beckman foi reformada em 2015. Erram ao redigir o documento? Porque a escola Carlos Beckman não foi reformada. É assim que eles trabalham? Na propaganda, é de um jeito. Na realidade, é outra. Se for de fato dessa forma, isso caracteriza um desrespeito com alunos, pais e professores, podendo até mesmo caracterizar improbidade administrativa”, disparou.

Placa irregular

Além das falsas informações na propaganda e documentos oficiais do governo, a própria placa afixada no local está irregular.

Pela legislação específica, além do nome da empresa responsável pela obra e do valor orçado, placas de obras públicas devem obrigatoriamente conter informações como início e término da obra, para que o cidadão possa fiscalizar quanto aos atrasos.

Na da reforma e ampliação do CE Antônio Carlos Beckman, porém, o prazo foi maquiado, não sendo informado quando a obra começou e nem quando ela deveria terminar.

O ATUAL7 solicitou por e-mail ao governo estadual e ao Ministério Público um posicionamento a respeito das falsas informações e irregularidades no programa Escola Digna, e aguarda retorno.

Pré-candidato, Márcio Jerry coordena programa de forte apelo eleitoreiro
Política

Secretário disputará para deputado federal em 2018

O secretário estadual de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry Barroso, lançou e coordena um programa de forte cunho eleitoreiro, há pouco mais de um ano para as eleições de 2018. Homem forte do PCdoB no Maranhão e do governador Flávio Dino, ele é pré-candidato a deputado federal, com o plano ousado de acabar com o histórico de coveiro de políticos e ainda espocar urnas.

Denominado de “Caravana Governo de Todos”, o programa é uma cartela repetida de outros já lançados pelo regime comunista, recheado principalmente de ações do Mais IDH. Até agora, já na quarta edição, apenas municípios onde há o compromisso do prefeito ou lideranças locais em eleger o secretário foram contemplados.

O próprio governo parece ter conhecimento pleno sobre o apelo eleitoreiro do programa.

Segundo divulgado pela Secap, o “Caravana Governo de Todos” acontecerá regularmente aos fins de semana, mas somente até o fim do ano — exatamente quando a Lei das Eleições barra esse tipo de abuso. Enquanto a proibição não chega, o Palácio dos Leões trabalha para que todas as regiões do estado sejam alcançados pelo programa de Márcio Jerry.

Ao todo, mais de 20 municípios de cabos-eleitorais já receberam a caravana: Palmeirândia, São Vicente de Ferrer, Bacurituba, São João Batista, Cajapió, Governador Archer, Capinzal do Norte, Santo Antônio dos Lopes, Bacabal, Arame, Santa Luzia, Barreirinhas, Carolina, Esperantinópolis, Jenipapo dos Vieiras, João Lisboa, Açailândia, Santa Quitéria, Zé Doca, Cachoeira Grande, Axixá, Morros, Presidente Juscelino e Icatu.

Procurado, o secretário não quis comentar sobre o cunho eleitoreiro do programa. Ele também não quis responder sobre a estranheza de, como pré-candidato, estar comandando ações de caráter social — como consultas e exames médicos, emissão de documentos, recebimento de sementes para plantação na agricultura familiar e até orientações jurídicas —, que nada tem a ver com a pasta que ocupa.

Márcio Jerry faz promoção pessoal com recursos da Saúde
Política

Secretário posou para fotos e entregou chaves de ambulâncias para prefeitos. Ele é pré-candidato a deputado federal em 2018

Em pré-campanha por uma vaga na Câmara Federal desde o início do regime comunista no Maranhão, o secretário de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry Barroso, utilizou-se do cargo público para peitar a lei e fazer promoção pessoal com recursos públicos da Saúde.

Nessa quinta-feira 27, apesar de nada ter a ver com a solenidade, Jerry posou para fotos oficiais ao lado do governador e prefeitos; e ainda entregou, segurando as chaves e tudo, algumas das ambulâncias distribuídas pelo Palácio dos Leões a nove mandatários de municípios maranhenses.

marcio-jerry-promocao-pessoal-recursos-da-saude-2

Apesar do flagrante ilícito, o Ministério Público, a quem cabe coibir esse tipo de marginalidade, manteve-se e ainda se mantém calado. Luiz Gonzaga Martins Coelho, que comanda o Parquet no Maranhão, aliás, foi alçado ao cargo pelas mãos do governador Flávio Dino.

Pela legislação, a promoção pessoal praticada pelo secretário-candidato se enquadra em improbidade administrativa, que tem entre suas sanções justamente a de tornar o transgressor inelegível.

Contratos de Márcio Jerry com locação de veículos ultrapassam R$ 730 mil
Política

Dispêndio contraria o discurso de crise financeira e econômica pregado por Flávio Dino para aumentar impostos e aplicar golpe salarial nos professores

A crise financeira e econômica que atinge o país, usada constantemente pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), para justificar o golpe salarial nos professores da rede estadual pública de ensino e o aumento descontrolado de impostos de vários produtos e serviços em todo o estado, parece não ter alcançado os cofres da Secretaria de Estado da Comunicação e Articulação Política (Secap).

Comandada pelo poderoso Márcio Jerry Barroso, espécie de Zé Dirceu do Palácio dos Leões comunista, a pasta já firmou exatos R$ 731.400,00 (setecentos e trinta e um mil e quatrocentos reais) em contratos de locação de veículos, todos firmados em outubro de 2016, ano eleitoral, e vigência de 12 meses.

Cópia de um dos contratos celebrados pela Secap para aluguel de veículos de luxo contraria discurso de crise pregado pelo governador do Maranhão
Atual7 Máquina administrativa rodando Cópia de um dos contratos celebrados pela Secap para aluguel de veículos de luxo contraria discurso de crise pregado pelo governador do Maranhão

O levantamento foi feito pelo ATUAL7 com base em dados do Sistema de Acompanhamento Eletrônico de Contratação Pública (Sacop), do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Embora a alimentação do sistema seja obrigatória desde abril de 2015, nem todos os processos contratuais têm sido informados pelo governo estadual à Corte de Contas, o que significa que o gasto pode ser ainda maior.

As contratadas foram as empresas Locadora São Luís Ltda - Epp, que garfou dois contratos, um de R$ 114.00,00 (cento e quatorze mil reais) e outro de R$ 48 mil (quarenta e oito mil reais); Locadora Rent A Car S/A, com um contrato de R$ 175.200,00 (cento e setenta e cinco mil e duzentos reais); e Locadora Conte Eireli, que pegou o maior contrato, de R$ 394.200,00 (trezentos e noventa e quatro mil e duzentos reais).

De altíssima linha, novos, do ano e super confortáveis os veículos vão de Renault Sandero Expression; passando pelo sedan executivo VW Voyage Trendline e chegando a caminhonetes Chevrolet S10 cabine dupla. Todos são completaços, com zero quilômetro e quilometragem livre, ar condicionado, película fumê, trava, retrovisores e vidros elétricos e até aparelhos de CD/DVD, dentre outras regalias.

Secretários-candidatos movimentarão mais de R$ 4 bilhões em 2017
Política

Maioria é do PCdoB. Levantamento foi feito com base no PLOA do ano pré-eleitoral

Ao menos 11 dos quase 40 secretários de primeiro escalão do Palácio dos Leões devem deixar o governo comunista em abril do próximo ano para disputar as eleições de 2018. A saída será em obediência à legislação eleitoral, que prevê que, para concorrer à vagas na Câmara Federal e Assembleia Legislativa, é preciso se afastar do cargo no Executivo seis meses antes do pleito.

As baixas estão distribuídas entre o PCdoB, legenda do governador Flávio Dino, e partidos da base aliada — PDT, PSDB, PT, SD e PSB.

Há secretários que ainda não têm filiação partidária, mas que são dados como certos nas eleições do próximo ano, justamente pelo PCdoB, por determinação do próprio chefe do Executivo.

Juntos, os 11 secretários-candidatos do Palácio poderão movimentar livremente, segundo o PLOA (Projeto de Lei Orçamentária Anual) 2017 divulgado pela Secretaria de Estado do Planejamento e Orçamento (Seplan), valor que ultrapassa R$ 4,5 bilhões em recursos públicos. Embora a disponibilidade dos recursos não seja sinônimo de uso do dinheiro público em benefício próprio, o gordo orçamento de cada uma das pastas pode ser um salto para quem deseja se movimentar bem em sua área de trabalho e, com isso, ser reconhecido pelo eleitor em outubro de 2018.

Baixe a versão final do PLOA 2017

Câmara dos Deputados

Pelo PCdoB, disputarão a Câmara Federal os secretários de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry Barroso; de Infraestrutura, Clayton Noleto; e de Segurança Pública, Jefferson Portela.

O primeiro tem como Orçamento deste ano mais de R$ 58,9 milhões. O segundo, indicado e mantido no cargo pelo primeiro, tem quase de R$ 777 milhões disponível, limpinho, limpinho. Já o terceiro, por sua vez, tem disponível para o ano pré-eleitoral quase R$ 1,6 bilhão.

Assembleia Legislativa

Ainda pelo PCdoB, Flávio Dino vai lançar como candidato ao Legislativo estadual o presidente do Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor e diretor do Viva, Duarte Júnior. Pelo Procon, ele tem como Orçamento para este ano mais de R$ 4,6 milhões. Já pelo Viva, o controle será sobre exatos R$ 21 milhões.

Embora ainda não tenha se filiado ao PCdoB, quem também é sondado pelos comunistas para disputar uma vaga da Assembleia é o secretário estadual de Educação, Felipe Camarão. Em 2017, ele tem o orçamento que ultrapassa R$ 2,7 bilhões.

Outros partidos

Pelo PT, disputará a Câmara Federal o secretário de Esportes e Lazer, Márcio Jardim. O petista tem em seu poder o orçamento de pouco mais de R$ 27,2 milhões para movimentar neste ano. Além dele, também pela Câmara, disputará o secretário de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Simplício Araújo (SD), com mais de R$ 55,4 milhões de orçamento para 2017.

Já para a Assembleia, o Palácio dos Leões tem, até o momento, quatro nomes de outros partidos que entrarão na disputa.

São eles: o secretário de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista (PSDB) — que, se a maré estiver boa, entrará na disputa pela Câmara, com orçamento para 2017 de quase R$ 170 milhões; de Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser (PDT), com orçamento de quase R$ 92,8 milhões; da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), com orçamento de quase R$ 36 milhões; e o presidente da Caema, Davi Telles (PSB). Ele tem para 2017 o orçamento próximo de R$ 20,7 milhões.

Márcio Jerry adita contrato de R$ 10 milhões para marketing promocional
Política

Agência já faturou mais de R$ 1,6 milhão do Palácio dos Leões. A Terruá tem sede em Brasília

A crise financeira e econômica que atinge o país pode até ter chegado a alguns setores do Palácio dos Leões, porém passa longe da Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap).

Levantamento feito pelo ATUAL7 em dados abertos do Diário Oficial do Estado (DOE) mostra que o titular da pasta, Márcio Jerry Saraiva Barroso, pretende gastar até R$ 10 milhões em um contrato aditado com a agência Terruá Ltda, que tem sede em Brasília, para serviços de marketing promocional.

O aditivo foi assinado no dia 20 de janeiro deste ano, pelo secretário adjunto de Administração, Orçamento e Finanças da Secap, Luciano Marcos Freitas de Oliveira — Márcio Jerry, curiosamente, nunca assina as contratações.

extrato-aditivo-contrato-secap-agencia-terrua-ltda

Pela verba, a Terruá se compromete a realizar serviços técnicos de promoção, organização de eventos e ações de marketing. O aditivo tem a vigência de 12 meses.

Em 2016, a agência faturou R$ 1.651.789,52 (hum milhão, seiscentos e cinquenta e um mil, setecentos e oitenta e nove reais e doze centavos) apenas com o primeiro contrato.

Palácio vai aumentar gastos com Comunicação para R$ 58,9 milhões
Política

Orçamento foi aprovado pela Assembleia Legislativa nesta quarta-feira 21

Proposta de Lei Orçamentária Anual (PLOA) do Governo do Maranhão para o exercício financeiro de 2017 – encaminhada desde outubro à Assembleia Legislativa – prevê gastos de R$ 58.916.610 (cinquenta e oito milhões, novecentos e dezesseis mil e seiscentos e dez reais) para despesas com a Comunicação do Palácio dos Leões.

A pasta é controlada pelo secretário Márcio Jerry, considerado o braço direito do governador Flávio Dino (PCdoB).

Em comparação com o ano de 2016, o aumento é de pouco mais de R$ 15 milhões. Se a comparação for com o orçamento previsto para o primeiro ano do governo comunista, a diferença é ainda maior, e chega a quase R$ 38 milhões. Em tempos de crise econômica e financeira, a rubrica poderia ser destinada para outras pastas mais importantes, como Educação, Saúde e Segurança Pública.

Apesar do desgaste dos deputados da Assembleia Legislativa maranhense junto à população, o Orçamento da Comunicação foi aprovado na íntegra, com rejeição a todos os destaques, em poucos minutos. A relatoria da PLOA é do deputado Vinícius Louro (PR), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças, Fiscalização e Controle da Casa.

A aprovação foi tão relâmpago que o deputado Léo Cunha (PSC) se surpreendeu por ter dado uma saidinha rápida do Plenário para atender um telefonema e quando voltou o PLOA já havia passado.

Comunistas derrotados nas urnas ganham emprego na pasta de Márcio Jerry
Política

Nomeações foram feitas no meio de dezembro, mas com efeito retroativo ao 1º dia do mesmo mês

Pelo menos dois filiados ao PCdoB, partido do governador Flávio Dino, que foram derrotados nas urnas nas eleições municipais deste ano, foram empregados pelo Palácio dos Leões na Secretaria de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos (Secap), pasta controlada por Márcio Jerry Barroso, que comanda ainda a legenda no estado.

A informação e levantamento é do Blog do Daniel Matos. De acordo com a reportagem, os dados foram obtidos em consulta ao Diário Oficial do Estado do Maranhão (DOEMA).

Um dos comunistas que recebeu o recado da população nas urnas, mas foi sinecurado logo em seguida pelo governo, foi o candidato a vereador derrotado em Açailândia, Pedro Araújo da Silva. Mesmo com o apoio declarado do Palácio à sua candidatura, ele não obteve votação suficiente para conquistar uma das cadeiras da Câmara do município. Contudo, para não ficar desamparado, foi nomeado pelo governador do Maranhão e pelo chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, para ocupar o cargo de Assessor de Articulação Regional da mesma cidade.

Também filiada ao PCdoB, quem foi consolado pelo Palácio dos Leões após a derrota nas urnas foi a candidata a vice-prefeita de Pirapemas, a professora Idna Maria Hortegal Andrade. Segundo o DOEMA, ela foi nomeada no cargo de Assessora Superintendente de Miranda do Norte.

Todas as nomeações foram feitas a pedido da própria Secap e assinadas no último dia 12, isto é, quase no meio do mês, porém, com efeito retroativo ao 1º dia de dezembro. Desta forma, os filiados ao PCdoB derrotados nas eleições tiveram a garantia do salário de dezembro completinho, completinho.

Governo vai pagar R$ 1 milhão para deputados que aprovarem “acordaço” de fim de ano
Política

Negociação atende aos interesses, principalmente, do secretário Márcio Jerry

O governo Flávio Dino vai pagar, na íntegra, o total de 1 000 000 de reais para os deputados da base aliada na Assembleia Legislativa do Maranhão que aprovarem um “acordaço” de fim de ano acertado com a Casa. O dinheiro será repassado por meio de emenda parlamentar, que é de direito dos deputados receber, mas tem sido quitadas apenas quando há negociações como esta.

O acerto foi feito entre o líder do governo na AL-MA, deputado Rogério Cafeteira (PSB); o chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares; e o secretário de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry Barroso, principal interessado no cumprimento do acordo.

Pela negociação, os deputados devem cumprir a parte que cabe ao Parlamento em três etapas: aprovação do empréstimo do governo, de quase 445 000 000 de reais, junto à Caixa Econômica Federal (CEF); a aprovação de dois projetos de lei que aumentam os impostos; e, por fim, o mais importante, a aprovação do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2017, sem restrições. A primeira etapa, do empréstimo, já foi cumprida pelos deputados há cerca de duas semanas.

Na segunda-feira 28, o ATUAL7 já havia revelado parte do acerto. Pelo acordo original, os deputado receberiam o mesmo valor, só que em duas vezes, metade agora e o restante do final de dezembro. A outra mudança é que a contrapartida dos deputados ainda não continha a aprovação, sem restrição, da PLOA, incluída somente no inicio desta semana.

Ontem 29, após o governo tentar levantar quem vazou o acordo, o deputado Eduardo Braide (PMN) usou a tribuna para declarar que votou, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na semana passada, contra as propostas do governo – n.º 202/2016 e n.º 204/2016 – que preveem o aumento de juros e a imposição de multa de mora diária para os contribuintes do Maranhão. Durante o discurso, o parlamentar chegou a apontar a imoralidade, ilegalidade e a inconstitucionalidade dos dois projetos. “Cobrar do contribuinte comum multa moratória por dia, limitada a 20%, taxa Selic e mais juros de 1%, além de ser ilegal, é imoral com o povo do Maranhão. O povo maranhense, o pequeno contribuinte não merece esse pacote de maldades que foi encaminhado pelo Governo do Estado agora na reta final”, declarou.

Orçamento sem restrições

De todas as imposições feitas pelo governo para entrar com sua parte no acordo com os deputados, a principal diz respeito à aprovação do Orçamento de 2017, sem qualquer restrição. O Palácio dos Leões teme que a base aliada acabe entrando com emendas para modificar o valor destinado para a Comunicação, pasta controlada por Márcio Jerry.

O temor ocorre pela seguinte razão: com a junção da antiga Secretaria de Estado da Comunicação (Secom) com a extinta Secretaria de Assuntos Políticos e Federativos (Seap) – e mais um aumento significativo de R$ 15 milhões no caixa da nova pasta -, o orçamento para gastos com publicidade, propaganda e divulgação do governo será de nada menos que R$ 58,9 milhões no ano que vem.  Como 2018 é ano eleitoral, Márcio Jerry sabe que, pela alteração feita no ano passado à Lei das Eleições, o Palácio dos Leões não poderá exceder, no primeiro semestre do ano eleitoral, “a média dos gastos no primeiro semestre dos três últimos anos que antecedem o pleito”.

Como o último acerto do Palácio para o pagamento de emendas em troca de aprovação aos projetos de interesse do governo não foi honrado com todos – apenas os deputados Humberto Coutinho (PDT), Marco Aurélio (PCdoB), Josimar de Maranhãozinho (PR) e Eduardo Braide teriam recebido na íntegra –, Jerry tenta evitar que a base aliada acabe tirando parte da gorda verba da Comunicação e a realoque para os setores da Saúde, Educação, Mulher ou Segurança Pública, o que inviabilizaria qualquer discurso contrário do governo às eventuais modificações. O secretário sabe, ainda, que os deputados crescem os olhos nas emendas quando estas são pagas em grande valor, e, por isso, resolveu pagá-las de uma única vez, e não mais em duas.

Atualmente, a peça se encontra na Comissão de Orçamento, Finanças, Fiscalização e Controle da Casa, presidida pelo deputado Vinícius Louro (PR).

Jerry insinua que Edivaldo, Bira, Eliziane e Braide são subservientes a Flávio Dino
Política

Para secretário, apenas o pré-candidato Wellington do Curso, embora da base, mantém postura independente ao Palácio dos Leões

O secretário estadual de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry Saraiva Barroso, insinuou por meio das redes sociais, nessa segunda-feira 11, que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), e os deputados Bira do Pindaré, Eliziane Gama (PPS) e Eduardo Braide (PMN) são subservientes ao governador Flávio Dino e ao PCdoB, partido do qual é presidente do diretório estadual.

A ação ocorreu quando Jerry afirmou que não havia incluído no consórcio do Palácio dos Leões o nome do pré-candidato a prefeito de São Luís, deputado Wellington do Curso (PP), em respeito à sua “independência política” na Assembleia Legislativa.

 Não citei o deputado Wellington em respeito à posição dele, de independência política. Apoia o governo na Alema, mas sempre frisa postura independente – explicou, confirmando o plano de Dino e do PCdoB de lançar e apoiar um pool de candidatos como estratégia de combater a possível vitória do progressistas nas urnas em outubro próximo.

A independência de Wellington, frisada pelo próprio Jerry, tem sido a principal causa de seu crescimento junto ao eleitorado de São Luís, em paralelo ao aumento de dor de cabeça do chefe do Palácio dos Leões. Embora pertencente à base, o deputado não tem silenciado diante de irregularidades encontradas no governo comunista.

Por esse motivo, Dino e o próprio Jerry sabem que, sendo eleito prefeito, Wellington é quem comandará a Prefeitura de São Luís. Contudo, conforme insinuou o próprio secretário, se o eleito for Edivaldo Júnior, Bira do Pindaré, Eliziane Gama ou ainda o deputado Eduardo Braide, o PCdoB é quem continuará a dar as cartas na Prefeitura de São Luís.

Amiga de Márcio Jerry assume direção da UPA de Imperatriz
Política

Em abril do ano passado, o ATUAL7 revelou que Keilane Carvalho recebia um super salário de mais de R$ 13 mil

A enfermeira Keilane Silva Carvalho assumiu a direção geral da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Imperatriz. Amiga do secretário de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry Barroso, Keilane foi pivô em abril do ano passado do escândalo do “contra cheque”, após o ATUAL7 revelar que ela recebia, como coordenadora de Enfermagem na UPA da cidade, mais de R$ 13 mil por mês.

Ela está no novo cargo desde abril.

Quando da relevação do super salário da enfermeira, o governo Flávio Dino chegou a usar um de seus espaços oficiais na internet para sair em defesa da amiga de Jerry. A defesa, porém, acabou prejudicando ainda mais o Palácio dos Leões. Nela, foi publicada uma nota da Organização de Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) Bem Viver – Associação Tocantina para o Desenvolvimento da Saúde onde, em vez de esclarecer o caso, foi confessado crime contra a arrecadação de imposto à Receita Federal, além do repasse de um mês de trabalho fantasma. Questionada pelo ATUAL7 sobre a assessoria de imprensa particular feita à Oscip, a Secom — atualmente transformada em Secap — silenciou sobre as perguntas feitas e ainda negou informações públicas sobre o controle dos repasses feitos pela Secretaria de Estado da Saúde às terceirizadas.

No final do ano passado, houve a confirmação oficial do escândalo.

Keilane Carvalho foi citada no relatório da Polícia Federal relacionado à Operação Sermão aos Peixes, que investiga desvio de dinheiro público federal da Saúde no Maranhão. No documento, a PF descreve uma interceptação, feita com a autorização da Justiça, sobre pagamentos realizados no governo Flávio Dino. No diálogo, a coordenadora administrativa da Bem Viver, Karina Mônica Braga Aguiar, afirma ter ficado assustada com repercussão do super contra-cheque de Keilane na imprensa local, por, segundo ela, não ser novidade que outros apadrinhados também recebiam valores acima dos cargos ocupados.

Mesmo afirmando em nota que aguardava ser oficialmente notificado pela PF sobre o escândalo, o governo Flávio Dino nunca tocou no assunto. Já a PF, procurada pelo ATUAL7 desde o início da Sermão aos Peixes, informou por meio de sua assessoria de imprensa que não se pronuncia sobre investigações em andamento e que estejam com o inquérito revestido de sigilo. A reportagem não conseguiu contato com a enfermeira Keilane Carvalho.

Flávio Dino resiste a Márcio Jerry e quer Gonzaga na PGJ
Política

Secretário quer que governador escolha o mais votado da lista tríplice. Indicação para o cargo é livre

O governador Flávio Dino (PCdoB) decidiu, pela primeira vez, não aceitar a orientação de seu secretário de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry Barroso. O fato, além de inédito, é histórico.

Para limpar a imagem de Dino junto à opinião pública e, principalmente, às instituições, Jerry quer a escolha imediata do promotor Augusto Cutrim, mais votado na eleição da última segunda-feira 16, para o cargo de procurador-geral de justiça do Ministério Público do Maranhão, para o biênio 2016/2018. Contudo, o governador tem dado de ombros para a orientação de Jerry e trabalha nos bastidores para indicar, sem se queimar com os membros do MP-MA, o promotor Luís Gonzaga Martins Coelho.

Leia também:
“Acredito que ele vá decidir pelo mais votado”, diz Augusto Cutrim

O promotor Luiz Gonzaga Martins Coelho, durante a votação para o comando da PGJ, demonstra felicidade por estar concorrendo ao cargo
Divulgação Felicidade pode ser maior O promotor Luiz Gonzaga Martins Coelho, durante a votação para o comando da PGJ, demonstra felicidade por estar concorrendo ao cargo

Segundo mais votado na eleição interna do órgão, Gonzaga sonha em ser procurador-geral de Justiça há anos, mas nunca foi contemplado pela família Sarney. Ciente do sonho, Dino enviou emissários ao promotor, para que ele recue do acordo de abrir de uma eventual indicação em favor do mais votado na lista tríplice. O acordo foi feito entre ele os promotores Augusto Cutrim e Justino da Silva Guimarães, ainda durante a campanha: o mais votado na lista tríplice, ganharia apoio do segundo e terceiro colocado.

Pela Constituição, o chefe do Poder Executivo estadual pode escolher qualquer um dos integrantes da lista, já que a escolha é livre, independente de quem tenha sido o mais votado na eleição interna do MP-MA.

Se Gonzaga aceitar o convite feito governador Flávio Dino, o comunista não será o primeiro governador do Maranhão a aplicar uma canetada na autonomia do Ministério Público em troca de um procurador-geral aliado.

A ainda chefe da PGJ, Regina Almeida Rocha, por exemplo, foi escolhida para o cargo pela ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) apesar de ter ficado em última na lista tríplice, em 2012, quando o mais votado foi o promotor Eduardo Jorge Hiluy Nicolau.

Escutec enterra pré-candidatura de irmã de Márcio Jerry
Política

Pesquisa mostra que governador e secretário de Articulação Política não têm peso político em Colinas

Pesquisa Escutec divulgada nesta segunda-feira 16 enterrou a já natimorta pré-candidatura a prefeita de Colinas da vereadora Régia Barroso (PCdoB), irmã do secretário de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry.

Apesar do patrocínio do irmão e do governador Flávio Dino (PCdoB), que desrespeitou o prestígio do grupo político de seu vice Carlos Brandão (PSDB) e embarcou na pré-candidatura de Régia, a irmã de Márcio Jerry teve um desempenho abaixo do pré-sal em todos os cenários do levantamento, e sequer ameaça os pré-candidatos que aparecem em sua frente.

No “Cenário 1”, com sete candidatos, Régia Barroso amargou o sexto lugar, com 4,4%. Nesse cenário, a ex-prefeita Valmira Miranda (PSDB), candidata de Carlos Brandão, aparece com 35,6%, e o atual prefeito, Antônio Carlos (PSB), com 22,7%.

No “Cenário 2”, com apenas três candidatos, Valmira segue na frente, com 44,9%; Antônio Carlos tem 23,5% e Régia Barroso apenas 8,1%.

Nem mesmo no cenário de confronto direto com o prefeito, Régia Barroso não conseguiu mostrar força, e também ficou atrás: 26,8%, contra 33,9% do socialista.

Detalhe, tanto Márcio Jerry quanto Flávio Dino fizeram questão de jogar todo o peso político que imaginam ter na pré-candidatura de Régia – que na espontânea tem apenas 1,2% – , exibindo-se, inclusive, em cartazes ao lado dela.

A pesquisa foi contratada pela Rádio Caxias Ltda, e realizada entre os dias 5 e 7 de maio. Foram ouvidos 519 eleitores. O registro na Justiça Eleitoral foi feito sob o protocolo MA-03151/2016.

Márcio Jerry já corre em busca de foro privilegiado
Política

Secretário teme por perseguição da família Sarney e até de aliados. Ele disputará uma vaga na Câmara Federal em 2018

Faltando dois anos para as eleições de 2018, o secretário de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry Barroso, já corre em busca de foro privilegiado. Dono de um orçamento de R$ 61 milhões, Jerry vêm se articulado para garantir uma vaga na Câmara Federal.

Para isso, o comunista vem se reunindo com prefeitos e vereadores que vão concorrer ao pleito de outubro próximo, e filiando deputados estaduais no PCdoB a torto e a direito. Os pré-candidatos a prefeituras e câmara municipais também estão sendo filiados ao partido. Pelo acordo estabelecido, todos receberão o apoio do Palácio dos Leões em troca de apoio à sua unção à Câmara.

As articulações surgiram há mais de seis meses, mas ganharam corpo após o secretário tomar ciência de que o governador Flávio Dino não poderá mais concorrer à reeleição, como estava planejado. Ocorre que, com o iminente afastamento da presidente Dilma Rousseff do Planalto, o vice-presidente Michel Temer se comprometeu a enviar para o Congresso uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) extinguindo a reeleição para cargos majoritários, inclusive o dele, já valendo para as eleições de 2018.

Principal homem de frente de Dino, e conhecido inclusive como governador de fato, Jerry teme que, com a possível volta da família Sarney ao comando do Estado, ele possa ser perseguido e até ser preso. A perseguição, acredita, poderia vir também do próprio dinismo, diante da quantidade de inimigos que já se formou em seu entorno. O foro privilegiado, então, lhe garantiria fôlego — assim como a Flávio Dino no Senado ou vice-presidência.

Ao todo, o PCdoB já possui 13 prefeituras nas 217 cidades do Maranhão. O número, embora pequeno, é suficiente para colocar qualquer jabuti em cima da árvore.