Eliziane Gama
Eliziane pede à PF que investigue responsáveis pelo “Baleia azul”
Política

Jogo é um desafio on-line de 50 etapas que pode levar o participante a cometer suicídio

A deputada federal Eliziane Gama (PPS-MA) solicitou ao diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, nessa quarta-feira 19, que a corporação abra inquérito e investigue os responsáveis pelo jogo “Baleia azul”, e reprima sua prática no Brasil. Ela promete reforçar o pedido ao ministro da Justiça, Osmar Serraglio.

“É preciso que as autoridades investiguem e adotem medidas legais contra os responsáveis por este jogo no Brasil”,  diz trecho do documento encaminhado à PF pela parlamentar.

O “Baleia azul” é um desafio on-line de 50 etapas que pode levar o participante à automutilação e até, na última etapa, ao suicídio.

Há registros de casos no Rio de Janeiro, Paraná, Bahia, Mato Grosso, Paraíba, Santa Catarina, Goiás e Maranhão.

Na Câmara dos Deputados, pelo menos seis parlamentares apresentaram requisições para que o assunto seja mais aprofundado por meio de audiências públicas ou de parcerias com órgãos internacionais. Eliziane pedirá ao deputado Rodrigo Maia (DM-RJ), que transforme o plenário da Casa, em data a ser definida, em comissão geral para debater o tema que é relevante para o conjunto da sociedade.

Comissão aprova projeto de Eliziane que contribuirá com transporte escolar
Política

Proposta prevê que ônibus objetos de confisco por parte do Estado sejam destinados ao transporte de estudantes

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados aprovou, nessa quarta-feira 5, projeto de lei de autoria da deputada federal Eliziane Gama (PPS-MA) que prevê que ônibus objeto de confisco por parte do Estado sejam destinados ao transporte escolar.

Durante discurso no plenário, a parlamentar agradeceu aos membros da Comissão por aprovar a proposta.

“Várias cidades brasileiras estão sem ter como transportar seus alunos e muitas crianças correm risco em veículos não adaptados, ou até mesmo não vão para escola por falta de transporte. Por isso, a aprovação deste projeto representa uma vitória. Parabéns a comissão por aprovar este projeto”, destacou.

Segundo o texto do projeto, os veículos deverão ir para as prefeituras para servir de transporte de estudantes da rede municipal de ensino e a destinação a cada cidade deverá obedecer à lista de prioridades elaborada pelo Ministério da Educação (MEC).

Antes de ir ao Senado, a matéria será analisada na Comissão de Finanças e na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

Eliziane Gama defende fim do foro privilegiado para autoridades
Política

Segundo deputada maranhense, atualmente há 22 mil autoridades que detém foro especial

A deputada federal Eliziane Gama (PPS-MA) defendeu, nesta terça-feira 8, o fim do foro privilegiado, prerrogativa concedida a algumas autoridades que só podem ser julgadas em tribunais superiores, a exemplo dos parlamentares federais. A afirmação foi feita durante reunião da comissão especial da reforma política na Câmara. De acordo com a popular-socialista, há processos contra autoridades que chegam a durar até uma década. Segundo ela, atualmente há 22 mil delas que detém foro especial.

“É necessária a realização da reforma política no Brasil e esta comissão pode fomentar este debate que é o do fim do foro privilegiado. Porque o que se vê no país é uma tentativa de se esconder atrás do foro. Há vinte e duas mil pessoas com esta prerrogativa. Isto não pode acontecer. Processo que poderiam ser concluídos mais rápidos não ocorrem”, justificou Gama.

A deputada maranhense disse que entre as decisões da Comissão é necessário que os parlamentares cheguem à conclusão de dar prioridade para aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acabe com o foro privilegiado, e citou a iniciativa nesse sentido, do líder do seu partido, deputado Rubens Bueno (PPS-PR). O deputado é autor de PEC 142/2012 que tramita atualmente na Comissão de Constituição e Justiça.

Pelo texto, perderiam a prerrogativa do foro privilegiado, em caso de crime comum, autoridades como o presidente da República e os ministros de estado, além de juízes e membros do Ministério Público, por exemplo.

Para a parlamentar, acabar com o privilégio destas pessoas, que estão previstos na Constituição Federal, é um dos caminhos para se acabar com a impunidade no Brasil.

“O fim do foro privilegiado é extremamente importante e salutar para a sociedade e faremos a defesa veemente deste tema aqui na Casa”, acrescentou.

Eliziane Gama também disse ser fundamental a participação de pessoas da sociedade civil e de instituições que a represente nos debates da comissão de reforma política.

Apenas quatro maranhenses votaram contra a “PEC dos gastos públicos”
Política

Dezessete parlamentares do Maranhão participaram da votação na Câmara. Proposta foi aprovada em primeiro turno por 366 votos a favor e 111 contra

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, às 21h35min dessa segunda-feira 10, o corpo principal da polêmica Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, de autoria do Executivo, com mudanças feitas pelo relator, o deputado federal Darcísio Perondi (PMDB-RS), aliado do Planalto.

A chamada “PEC dos gastos públicos”, prioridade legislativa do governo Michel Temer para 2016, recebeu 366 votos favoráveis e 111 contrários, além de duas abstenções. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que conduziu a sessão, optou por não votar. Por se tratar de uma emenda, eram necessários no mínimo 308 votos, o que representa três quintos da Casa.

Em linhas gerais, a PEC não permite que os gastos públicos sejam extrapolados para além da correção inflacionária acumulada do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), pelos próximos 20 anos.

Maranhão

Entre os 18 deputados federais da bancada do Maranhão, apenas quatro votaram contra a PEC 241: Eliziane Gama (PPS), Rubens Pereira Júnior (PCdoB), Weverton Rocha (PDT) e Zé Carlos (PT).

Votaram a favor da PEC os seguintes parlamentares, a maioria esmagadora pertencente à base do governador Flávio Dino (PCdoB): Aluísio Mendes (PTN); Alberto Filho (PMDB); Cléber Verde (PRB); Davi Alves Silva Júnior (PR); Hildo Rocha (PMDB); Ildon Marques (PSB); João Castelo (PSDB); João Marcelo Souza (PMDB); José Reinaldo (PSB); Júnior Marreca (PSB); Juscelino Filho (DEM); Pedro Fernandes (PTB); Victor Mendes (PSD).

O deputado Waldir Maranhão (PP), vice-presidente da Câmara, faltou à sessão.

Perguntas e Respostas

O que é o teto dos gastos públicos?

Eduardo Braide e Fábio Câmara estão a um ponto de empatar com Eliziane, aponta Ibope
Política

Leitura foi feita com base na margem de erro da pesquisa. Popular socialista segue em queda livre

A candidata a prefeita pela coligação “São Luís de Verdade”, Eliziane Gama (PPS), que já esteve surfando na liderança absoluta em todas as pesquisas de intenção de votos, mas despencou após revelação de sua aliança com o ex-prefeito João Castelo (PSDB) e de ter evitado trabalhar na CPI da Petrobras contra o vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), após um almoço num restaurante de luxo da capital, pode terminar a eleição municipal de 2016 em quinta colocada.

É o que aponta leitura mais profunda nos números divulgados pelo Instituto Ibope Inteligência/TV Mirante, na quarta-feira 14. A pesquisa foi realizada entre os dias 10 e 13 de setembro. Foram feitas 805 entrevistas na capital. A margem de erro máxima é de três pontos porcentuais para mais ou para menos, em um nível de confiança estimado de 95%. Ou seja, se fossem feitas 100 pesquisas idênticas a esta, 95 deveriam apresentar resultados dentro da margem de erro. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) da Maranhão sob o protocolo MA-00239/2016.

De acordo com o levantamento, Gama apareceu com apenas 10% de intenção de votos, figurando na terceira colocação na pesquisa, seguida dos candidatos Eduardo Braide (PMN) e Fábio Câmara (PMDB), ambos com exatos 3% da preferência do eleitorado. Ocorre que, considerando a margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou para menos, e como a candidata segue em queda livre a cada resultado divulgado de qualquer instituto de pesquisa, Eliziane pode estar, na verdade, com apenas 7% de intenção de votos, e tanto Braide como Câmara podem estar com 6%.

Com isso, a diferença que separa a candidata do PPS e os candidatos do PMN e do PMDB pode ser, na verdade, de apenas 1%. Como a tendência aponta para uma nova queda de Gama, diante do sumiço da candidata durante toda a gestão do atual mandatário de São Luís, só aparecendo agora em época eleitoral; da falta de confiança da população e da classe política nela; e do ataque de Eliziane Gama aos policiais militares, colocando-os com pés de cavalo no primeiro programa eleitoral, a incoerente candidata pode perder mais posição e aparecer nas urnas no dia 2 de outubro atrás de Braide e de Câmara.

Ataques

Já se antecipando a iminente queda de Eliziane Gama, o candidato Fábio Câmara resolveu partiu para o ataque.

Contudo, como Gama vem caindo sem precisar ser atacada pelos adversários, mas por erros e incoerências próprias, Câmara iniciou ataques contra o segundo colocado e vencedor no segundo turno da pesquisa Ibope, o candidato pela coligação “Por Amor a São Luís”, Wellington 11 (PP).

Desde essa quinta-feira 15, o programa eleitoral do peemedebista vem veiculando um vídeo em chama o progressista de “empresário espertalhão” e “cara de pau”. Para isso, usou acusações infundadas patrocinadas pelos palácios dos Leões e de la Ravardiére, já derrubadas por Wellington em entrevista exclusiva ao jornalista e blogueiro Gilberto Léda, e admitida como factoide pelo jornalista Raimundo Garrone, de onde partiu a falsa denúncia da venda de um terreno.

Já Eliziane Gama, em vez de focar-se em apresentação de propostas para tirar a capital do Maranhão da lama em busca de impossível recuperação eleitoral, também resolveu partir pro ataque a Wellington, como estratégia de recuperação.

Na manhã desta sexta-feira 16, por exemplo, a coluna do jornalista Murilo Ramos, da revista Época, publicou uma notinha delirante sobre um suposto pedido feito por Wellington a Waldir Maranhão, para que este não participasse de seus comícios e nem aparecesse em seus programas de TV. A intenção da nota, assinada por Nonato Viegas, é passar para os eleitores da capital que, em vez de Eliziane Gama, Waldir Maranhão estaria sendo escondido por Wellington. Uma de forçação de barra, já que os eleitores de São Luís acompanharam, com atenção, as várias tentativas de Maranhão de tomar o partido para retirar a candidatura de Wellington, em atendimento aos Leões, mas todas derrubadas pela Justiça.

O curioso desse estratagema é que a falsa informação foi repassada à Época pelo jornalista Marco Aurélio D'Eça, um dos coordenadores de Comunicação da campanha de Gama e editor de política do jornal O Estado Maranhão, pertencente à oligarquia Sarney. Marco D'Eça, inclusive, embora não faça parte diretamente da Comunicação de campanha de Fábio Câmara, também dá pitacos na campanha do peemedebista, que curiosamente resolveu promover um novo ataque a Wellington hoje, tentando ligá-lo ao clã.

Recordar é viver: Edivaldo ajudou João Castelo derrotar Flávio Dino e Eliziane esqueceu o caos
Política

Timeline do intrigado jogo político de 2008, 2012 e 2016 na disputa pela prefeitura de São Luís

Do Blog do Aquiles Emir

Corria o ano de 2008. Jackson Lago era governador do Maranhão e decidiu contrariar seu partido, o PDT, que havia lançado Clodomir Paz para prefeito de São Luís, e apoiou João Castelo (PSDB) a sucessor de Tadeu Palácio (seu ex-vice).

Aliança como Castelo em São Luís deve tirar votos da pré-candidata Eliziane Gama
Divulgação/Agência Assembleia Caostelo A candidata Eliziane Gama, no tempo que a São Luís de verdade sobre João Castelo era outra

Despontando na política com a promessa de renovação, o ex-juiz federal Flávio Dino (PCdoB), então exercendo cargo de deputado federal, entrou na disputa. Para derrotá-lo, Castelo foi buscar, além do apoio informal dos pedetistas, a adesão do PSB e do PTC, partido ao qual era filiado até ano passado o hoje prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que já está de legenda nova, o PDT, a mesma de Jackson Lago.

Derrotado, Flávio Dino chorou de raiva e decepção e ainda disse que o povo de São Luís havia feito a opção pelo pior.

Edivaldo Holanda Júnior, que hoje é aliado do Palácio dos Leões, pensava diferente, e comemorou o massacre do tucano sobre o comunista. Em 2012, Edivaldo Holanda, desta vez apoiado por Flávio Dino, disputou e venceu a eleição contra Castelo.

Ainda como parte deste intrigado jogo político, em 2012, também contra João Castelo, disputou a prefeitura de São Luís, a deputada Eliziane Gama (PPS), que não economizava palavras para criticá-lo, como atesta a foto ao lado.

Na eleição deste ano, Eliziane tenta derrotar Edivaldo Holanda com o apoio daquele que, segundo ela, foi um caos para São Luís.

Ah, mas como a política é complicada!

Eliziane Gama promove evento para João Castelo em agenda oculta
Política

Encontro fechado aconteceu no último sábado 3. Candidata declarou que conta com auxilio do tucano para administrar São Luís

A candidata a prefeita pela coligação “São Luís de Verdade”, deputada federal Eliziane Gama (PPS), criou uma tática curiosa para não desagradar seu novo aliado e padrinho de candidatura, o ex-prefeito e amigo de bancada, João Castelo (PSDB), a quem até antes do início da campanha chamava publicamente de “Caostelo”, em referência, segundo ela própria, a péssima administração do tucano na capital.

Após reclamações de Castelo de que não queria continuar a ser escondido na campanha, na tarde do último sábado 3, com o auxílio da ex-primeira-dama Gardênia Gonçalves Castelo, Gama promoveu um evento fechado para o aliado no Hotel Abbeville, no bairro do São Francisco, onde declarou que, se eleita prefeita de São Luís, pretende contar com a ajuda do amigo para administrar a cidade.

O curioso é que, na agenda oficial da candidata, o evento para o ex-prefeito foi ocultado. Em seu lugar, Eliziane Gama divulgou apenas que estaria reunida com lideranças.

Conforme o ATUAL7 revelou na semana passada, João Castelo e sua filha, a ex-deputada estadual Gardênia Castelo, a Gardeninha (PSDB), foram proibidos de participar de qualquer ato de campanha ao lado de Eliziane Gama.

A orientação foi dada pelos marqueteiros da popular-socialista que, em pesquisas qualitativas, observaram que, devido ao histórico consolidado de falta de confiança da classe política e da população em Gama, a presença de “Caostelo” — assim como do vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão — na campanha potencializa essa falta de confiança, em razão da incoerência política da candidata.

Com alta, Wellington vira alvo de Edivaldo Júnior e Eliziane Gama
Política

Consórcio dinista se uniu contra o candidato progressista. MPE faz vista grossa ao uso da máquina pública

O resultado da pesquisa Ibope do último dia 30, confirmado nesse sábado 3, pelo Instituto Escutec, aumentou o nível de ataques e baixarias no embate pela prefeitura de São Luís, sendo que o progressista Wellington se transformou no único alvo na disputa.

Desde que assumiu a segunda colocação em todas as pesquisas da preferência do eleitorado e passou a consolidar seu nome numa disputa de segundo turno, sob orientação do Palácio dos Leões, as cúpulas de campanha dos candidatos Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e Eliziane Gama (PPS) se uniram e passaram a atacar em conjunto o progressista, de forma pessoal, inclusive atingindo seus familiares, como a mãe e um irmão.

Sites, blogs, rádios e até TV que têm contratos – ou proprietários com vínculos empregatícios fantasmas – na Assembleia Legislativa, Governo do Maranhão e Prefeitura de São Luís foram escalados para bater em Wellington, como forma de tentar barrar seu crescimento junto ao eleitoral da capital. Apesar da legislação eleitoral proibir, todos os ataques, inclusive, são imediatamente patrocinados nas redes sociais.

Até mesmo uma reunião convocada pelo Palácio dos Leões, na manhã desse domingo 4, entre cinco blogueiros e o secretário de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry Barroso, foi articulada. No encontro, ficou decidido que Jerry, por ordem expressa do governador Flávio Dino (PCdoB), passa a controlar a campanha de Gama.

Ainda neste sentido, mesmo o Maranhão possuindo um Ministério Público Eleitoral, o uso da máquina pública para intimidar Wellington passou a ser utilizado abertamente, como numa terra sem lei.

Desde a semana passada, documentos de cunho pessoal e intransferível, que não se pode ter acesso se não o próprio titular do imóvel, passaram a ser vazados para essa mídia anilhada.

O plano, eleito pelas cúpulas de Edivaldo e Eliziane como de ataque principal, é macular a imagem de Wellington em razão da empresa Gradual Sistema Potencial de Ensino Ltda, mas conhecida como Curso Wellington, e não o candidato, ter recorrido contra uma autuação pelo Município, em 2010, por suposta divergência do recolhimento de ISS; e em razão da mesma empresa ter questionado uma cobrança de cálculos indevidos e abusivos pelo fato da prefeitura, em vez de recursos técnicos e humanos especializados, ter utilizado a ferramenta do Google Maps para efetivar a cobrança de um tributo.

Para isso, o sistema da Prefeitura de São Luís de São Luís foi acessado pela madrugada, horário completamente fora do expediente de trabalho, conforme print dos documentos vazados, o que confirma o uso da máquina pública contra o candidato progressista.

A ordem, aos olhos inertes do MPE, segundo o ATUAL7 apurou, é “fuzilar” o candidato do 11.

Rejeição alta de consórcio dinista favorece Wellington na corrida eleitoral
Política

Propostas concretas, grupo político forte, campanha vibrante e menor rejeição podem dar vitória ao candidato progressista em outubro

Pesquisa, já se sabe, é “leitura” do momento. Os números do Instituto Ibope/TV Mirante, divulgados na noite de terça-feira 30, podem não ser o de amanhã, mas apontam uma tendência.

De acordo com o levantamento, a um mês para a população ludovicense ir às urnas para escolher o novo prefeito da capital, os candidatos Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e Eliziane Gama (PPS), pertencentes ao consórcio dinista montando pelo Palácio dos Leões, já entraram na disputa sofrendo do cansaço da população aos seus nomes. Edivaldo tem a maior rejeição: 37%. Eliziane vem logo em seguida, com 27% de rejeição, que é quando os eleitores são perguntados pelo entrevistador em quem não votariam “de jeito nenhum”.

Já o candidato Wellington (PP), que apareceu em segundo colocado no Ibope, tem rejeição menor entre todos os outros candidatos, de apenas 11%, o que lhe dá, pelos passos firmes com que tem galgado na corrida eleitoral, maior possibilidade de crescimento.

Ainda é cedo para qualquer prognóstico, mas a contar pela tendência, a baixa rejeição do progressista deve não só garanti-lo no segundo turno, como também fazer com que ele termine a corrida do primeiro turno em primeiro colocado. E, chegando lá nesse ritmo de propostas concretas para a cidade, grupo político forte, campanha vibrante e com o fôlego de menos rejeitado pela população, será o futuro prefeito de São Luís a partir de 1º de janeiro de 2017.

O Ibope ouviu 805 eleitores entre os dias 25 a 30 de de agosto. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão sob o protocolo Nº MA-08827/2016.

Bira do Pindaré imita Eliziane Gama e se alia a quem antes criticava
Política

Socialista abandonou críticas a Edivaldo Holanda Júnior e declarou apoio ao pedetista

O deputado estadual Bira do Pindaré (PSB) deu um duro golpe na população de São Luís, nesta quinta-feira 1º, e se aliou ao projeto de reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), a quem até recentemente criticava e tentava varrer da prefeitura.

A neo aliança, segundo o próprio socialista relatou no Twitter, se deu em razão do remorso que nutre pelo presidente estadual do PSB no Maranhão, senador Roberto Rocha, que decidiu caminhar com a legenda pela eleição do candidato Wellington (PP).

Este é o segundo grande episódio de incoerência política nas eleições 2016 pela prefeitura de São Luís – ambos partindo de integrantes do consórcio montado pelo Palácio dos Leões.

Antes de Bira, a candidata da coligação “São Luís de Verdade”, Eliziane Gama (PPS), já havia esquecido do histórico político e ideologia em nome do poder.

Candidata ao executivo municipal pela segunda vez, Gama tem hoje como seu padrinho político e de candidatura o ex-prefeito da capital, João Castelo (PSDB), a quem até recentemente chamava por “Caostelo”, e acusava de escamotear verbas públicas na saúde, trânsito e educação. Em busca do tempo de TV do PSDB, a popular-socialista chutou o pau da barraca e decidiu caminhar com o ex-adversário – que acabou ficando apenas nos bastidores por ordem dos marqueteiros da campanha, mesmo a contragosto de Gama.

É a velha prática da conveniência política tentando ganhar os votos da Ilha Rebelde. Vai conseguir?

Edivaldo e Eliziane lideram rejeição dos eleitores, aponta Ibope
Política

O candidato a prefeito Wellington é o menos rejeitado pelos eleitores da capital

Pesquisa Ibope contratada pela TV Mirante e divulgada na noite desta terça-feira 30, no JMTV segunda edição, aponta um nível alto de rejeição entre pelo menos dois candidatos a prefeitura de São Luís.

A pouco mais de um mês para o dia da votação, o atual gestor e candidato a reeleição, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), não tem mais recuperação política, quando o assunto é perspectiva eleitoral majoritária a curto prazo. Segundo o levantamento, o primeiro do Ibope em São Luís nestas eleições, o pedetista aparece numericamente na frente entre mais rejeitados pelos eleitores ludovicenses, com 37%. Em seguida, aparece a candidata Eliziane Gama (PPS), com 27% que não votariam nela de jeito nenhum.

O candidato progressista Wellington — que aparece em segundo colocado na intenção de votos e com possibilidade de virar sobre o primeiro — é o menos rejeitado pelos eleitores da capital, com apenas 11%.

O Ibope ouviu 805 eleitores entre os dias 25 a 30 de de agosto. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão sob o protocolo Nº MA-08827/2016.

Pelas últimas movimentações de Edivaldo Holanda Júnior e Eliziane Gama, a alta rejeição de ambos pode estar diretamente associada a falta de confiança que os dois candidatos passam para a população. O primeiro por não cumprir promessas de campanha e ter como vice de reeleição o sindicalista Júlio Pinheiro (PCdoB), ligado de forma historicamente pelega ao pior setor da administração do pedetista, a educação; a segunda pela incoerência política historicamente marcante e ter como vice alguém indicado pelo ex-desafeto e ex-prefeito da capital, João Castelo (PSDB).

Eliziane Gama é orientada a esconder João Castelo de sua campanha
Política

Tucano está proibido de aparecer nas caminhadas, programa de TV e perfis da candidata nas redes sociais. Participação do ex-prefeito deve ser apenas nos bastidores

A candidata a prefeita pela coligação “São Luís de Verdade”, deputada federal Eliziane Gama (PPS), foi orientada por sua equipe de marketing a esconder de sua campanha eleitoral o ex-prefeito da cidade e padrinho de sua candidatura, João Castelo (PSDB).

Apesar da campanha ter começado oficialmente há duas semanas, a presença do ex-prefeito tem sido evitada para não aumentar ainda mais a falta de confiança que a população e a classe política nutrem pela candidata.

Nas caminhadas na Rua Grande, que fica no coração de São Luís, assim como nas ocorridas em outros bairros, por exemplo, foi aconselhado ao ex-prefeito para que ele não repetisse a surpresa feita na convenção, quando apareceu no evento e ainda ficou ao lado de Eliziane Gama mesmo tendo sido orientado a não participar.

A camuflagem tem razão de ser.

Nas eleições 2012, quando concorreu pela primeira vez ao Executivo municipal, a candidata do PPS cresceu eleitoralmente na capital após acusar o ex-prefeito de assalto aos cofres da prefeitura e de deixar os funcionários públicos com os salários atrasados. Até um dia antes da aliança com João Castelo, inclusive, Gama chamava o ex-prefeito de “Caostelo”, em referência à situação de descaso e abandono de sua administração.

Por essa razão, a presença do ex-prefeito deve ser evitada, ainda, nas propagandas de TV e nos perfis oficiais da aliada nas redes sociais. A participação do tucano na campanha, avaliam os marqueteiros, deve ficar apenas nos bastidores, como tem sido a do vice-presidente da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), e da ex-deputada estadual, Gardênia Castelo (PSDB), para evitar maiores desgastes a candidata.

Qual a diferença entre Waldir Maranhão e João Castelo?
Política

Ambos são investigados e possuem condenação por corrupção, mas candidata a prefeita de São Luís se afastou de um e se aproximou do outro

Assim como o vice-presidente da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), o deputado federal e ex-prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), é acusado de se locupletar de dinheiro público e responde na Justiça a processos que podem colocá-lo, mais cedo ou mais tarde, na cadeia. Ambos também são condenados a devolver ao erário a verba subtraída dos cofres por onde passaram, além do pagamento de multa.

Qual a diferença entre os dois?

Após almoços e auxílios, Gama diz que não tem entre seus aliados o padrinho de pré-campanha, Waldir Maranhão
Divulgação Sem bigode Após almoços e auxílios, Gama diz que não tem entre seus aliados o padrinho de pré-campanha, Waldir Maranhão

Para o Ministério Público, Tribunal de Contas do Estado (TCE), Polícia Federal e outros órgãos e instituições que barram a ação de corruptos, nenhuma. Para a candidata a prefeita da capital pela coligação “São Luís de Verdade”, deputada federal Eliziane Gama (PPS), porém, a diferença está no que cada um representa para o seu projeto de poder.

A Maranhão, Gama rejeitou publicamente o apoio político após o colega de bancada meter os pés pelas mãos durante o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) na Câmara e, logo após, meter as mãos pelos pés durante a rápida mais estridente permanência na Presidência da Câmara.

Antes das ações abobalhadas e que envergonharam o povo maranhense Brasil a fora, Waldir Maranhão andada para cima e para baixo com Eliziane Gama, mesmo estando ela em outro partido, e mesmo sendo ele investigado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras e na Lava Jato por propinagem — além de desvio de verba de fundos de previdência municipal e do dinheiro para a construção da Refinaria Premium I, em Bacabeira.

Com o “amigo” João “Caostelo”, Eliziane Gama diz agora que defende uma São Luís de verdade
Divulgação Com o “Caos” Com o “amigo” João “Caostelo”, Eliziane Gama diz agora que defende uma São Luís de verdade

Pelo apadrinhamento de Maranhão à sua candidatura, Eliziane chegou, inclusive, a afrouxar com o aliado na CPI, num pedido de convocação que havia sido feito por ela própria. Ou seja, pouco importava a candidata pela coligação “São Luís de Verdade” o que Maranhão fez ou deixou de fazer com a verba pública. A rejeição a ele só ocorreu após as confusões no processo de Impeachment e Presidência da Câmara.

A João Castelo, por sua vez, o tratamento é outro.

Com histórico praticamente idêntico ao de Maranhão no que se refere à mágica de fazer dinheiro público sumir, o tucano viu sua desafeta ferrenha virar sua maior aliada, sem nem precisar sair de casa. De olho nos supostos votos cristalizados do ex-prefeito e nos minutos do PSDB para a sua propaganda de rádio e TV, Eliziane Gama correu como uma corça anseia por águas atrás do apoio daquele a quem, até recentemente, ela chamada por “Caostelo”.

Recentemente, durante uma sabatina, ela chegou a desmentir a si própria, chamou o tucano de “amigo”, afirmou que teve contra ele apenas “uma certa oposição” e ainda partiu para cima de quem ouse criticar a herança de descaso e abandono deixada por João Castelo para seus sucessores: “discurso mentiroso”, atacou.

Qual a diferença entre Waldir Maranhão e João Castelo?

Em dois anos na Câmara, Eliziane Gama ficou mais pobre e virou “preta”
Política

Imóvel em reforma da candidata perdeu valor. Até 2014, ela havia declarado à Justiça Eleitoral ser “branca”

A candidata a prefeita da capital pela coligação “São Luís de Verdade”, deputada federal Eliziane Gama (PPS), pode ter faltado justamente com a verdade em declaração de bens à Justiça Eleitoral.

De acordo com informado pela popular-socialista ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após dois anos na Câmara dos Deputados, seus bens patrimoniais caíram.

Tudo isso tendo ela uma remuneração mensal bruta de R$ 33.763,00 (trinta e três mil, setecentos e sessenta e três reais); R$ 78 mil de verba de gabinete; R$ 3.800,00 de auxílio moradia; quase R$ 30 mil por mês para gastos com passagens aéreas, telefonia, serviços postais, hospedagens, combustíveis, divulgação da atividade parlamentar e outros penduricalhos; além de outros benefícios como não precisar tirar do próprio bolso para assinar jornais e revistas, material de expediente e serviços gráficos.

Nas eleições de 2014, quando disputou o cargo que ocupa, Eliziane Gama havia declarado à Justiça Eleitoral possuir uma casa de R$ 700 mil no bairro do Araçagi, São José de Ribamar; e um veículo Toyota de R$ 80 mil. Agora, nas eleições de 2016, de acordo com a nova declaração de bens apresentada, Gama perdeu o veículo Toyota e o único bem que possui é a casa do Araçagi, que ainda perdeu o valor no mercado e custa agora apenas R$ 630 mil.

A depreciação poderia ser justificada pelo fato do país estar em crise financeira, e por isso o valor de imóveis como o de Gama, em tese, acabam sofrendo queda. Contudo, essa alegação não serve para a candidata ao Executivo municipal.

Localizado no bairro do Araçagi, o suntuoso imóvel tem a frente em São Luís e os fundos em São José de Ribamar, e passa por ampla reforma, tanto na parte interna como externa. Como durante esses dois anos em que Gama está na Câmara o imóvel recebeu muito mais que simples puxadinhos, uma avaliação atualizada apontaria um valor acima do anterior, e não um decréscimo.

Gama é a segunda, dos três principais candidatos, a se declarar mais pobre apesar dos benefícios que recebe para tirar pouco dinheiro do próprio bolso. O primeiro foi o prefeito Edivaldo Holanda Júnior.

Mas não foi apenas na gestão financeira da própria vida pessoal que Eliziane Gama pode ter se confundido ou faltado com a verdade à Justiça Eleitoral.

O outro dado curioso na consulta ao dados da candidata pela coligação “São Luís de Verdade” é que, até as eleições de 2014, ela havia declarado que a sua “Cor/Raça” era “Branca”. Passados dois anos, na nova declaração, Eliziane declarou que a sua “Cor/Raça” agora é “Preta”.

Alianças incoerentes escancaram política de conveniência de candidatos à prefeitura
Política

Em busca do poder, prefeituráveis têm agido a despeito do que diziam aos eleitores e costurado alianças inusitadas e difíceis de acreditar

De tempos em tempos, a política maranhense tem requintes surreais, principalmente nos pleitos municipais. Com a chegada das eleições, políticos tidos como desafetos ferrenhos abandonam discursos, críticas e ataques levantados contra adversários até a noite anterior e, a despeito da decepção de seus eleitores, amigos e até familiares, passam a formar alianças constrangedoras em nome do poder.

Nas eleições de 2016, como já era de se esperar, não será diferente. Contudo, novas experimentações dessa política de conveniência têm chamado a atenção do eleitor mais atento, principalmente com o crescimento do uso de redes sociais e do advento de aplicativos de mensagens instantâneas para celular, como WhatsApp e Telegram.

Aliança como Castelo em São Luís deve tirar votos da pré-candidata Eliziane Gama
Divulgação/Agência Assembleia Caostelo Necessitada, Gama diz agora que qualquer crítica quanto ao caos deixado por ex-prefeito tucano não passa de “discurso mentiroso”

Este ano, o caso maranhense mais emblemático de negociações por conveniência política envolve a candidatura a prefeita da capital da deputada Eliziane Gama (PPS). Candidata a prefeitura pela primeira vez nas eleições de 2012, ela viu seus votos mais que quadruplicarem em São Luís após subir a tribuna da Assembleia Legislativa com um adesivo para carros onde podia se ler a palavra “Caostelo”, em referência direta a desastrosa administração do então prefeito João Castelo (PSDB). Na época, Gama apontava o tucano como principal responsável pelo caos nas áreas de educação, infraestrutura, saúde, mobilidade urbana e saneamento básico de São Luís.

Contudo, com a chegada de uma nova eleição pelo comando da prefeitura, Eliziane Gama mudou. Para ter o minutos e a verba do PSDB em sua coligação, a novamente candidata a prefeitura da capital lavou os cabelos, foi atrás e trabalhou para ter em seu palaque o mesmo “Caostelo” que ela criticava em 2012.

Durante sabatina nessa quarta-feira 10, por exemplo, Gama se desavergonhou e saiu em defesa do neo aliado. Desmentindo a si própria, ela chamou o tucano de “amigo”, disse que teve contra ele apenas “uma certa oposição” e ainda partiu para cima de quem ouse criticar a herança de descaso e abandono deixada por ele para seus sucessores: “discurso mentiroso”, atacou.

Outros camaleões

Há ainda diversos casos de camaleões pelo Maranhão, que mudam de cor e a direção da língua de acordo com o caminho mais fácil para chegar ou se manter no poder.

Em Timon, por exemplo, a união é entre os Almeida e o Waquim; em Colinas, ocorre o abraço entre o clãs Brandão e Jerry; em Buriticupu, a política de conveniência fica por conta dos Primo e Gildan; em Dom Pedro, entre os Macedo e os Costa; e em Nina Rodrigues, entre Braga e a oligarquia Quaresma.

“A vice é do PSDB e isso não se discute”, alerta Pinto Itamaraty
Política

Declaração foi dada em resposta a reunião entre a pré-candidata Eliziane Gama e o PMDB

O suplente de senador Pinto Itamaraty (PSDB) fez uma espécie de alerta à pré-candidata a prefeita de São Luís, deputada federal Eliziane Gama (PPS), nesta terça-feira 26, minutos após reunião entre ela e caciques do PMDB do Maranhão.

Questionado pelo ATUAL7 sobre as exigências feitas pela cúpula peemedebista para fechar apoio à pré-candidatura de Gama, Pinto foi taxativo e declarou que a vaga de vice não pode ser colocada em negociação.

“A vice é do PSDB e isso não se discute”, alertou o tucano, explicando ainda que não há disputa entre ele o vereador José Joaquim pela vaga. “Não vai ter disputa. Iremos consensuar (sic)”, declarou.

A mesma pergunta também foi feita pelo ATUAL7 a própria Eliziane Gama.

Segundo ela, somente nesta quarta-feira 27, após sentar com os partidos que já declararam apoio a sua pré-candidatura, é que alguma declaração poderá ser dada.

“Não definimos nada. Ainda vou sentar amanhã com os partidos que já estão conosco. Não vou responder agora. Primeiro vou falar com os demais partidos. Foi o que acertei com os partidos”, declarou.

Um novo encontro entre Eliziane Gama e os caciques do PMDB deve ocorrer ainda esta semana.

Eliziane e aliados fazem pacto de silêncio sobre pesquisa Econométrica
Política

Pré-candidata do PPS perdeu a posição de líder absoluta em todos os levantamentos de intenção de votos

A pré-candidata a prefeita de São Luís, deputada Eliziane Gama (PPS), estabeleceu com seus aliados um pacto de silêncio sobre o resultado da nova pesquisa Econométrica de intenção de votos para as eleições de outubro próximo, na capital.

O levantamento, realizado entre os dias 14 e 16 de julho, aponta que Gama, até então líder absoluta em todos os levantamentos de todos os institutos, perdeu posição para o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que busca a reeleição, e já é ameaçada a perder a nova posição para o pré-candidato a prefeito, deputado Wellington do Curso (PP). De acordo com os números, Edivaldo tem 23,7% das intenções de votos, contra 20,0% de Eliziane e 18,1% de Wellington.

Diante do resultado desastroso, a pré-candidata do PPS e os aliados passaram o dia de ontem tentando se ocupar com coisas que nada tinham a ver com a campanha. Nem telefonemas foram trocados, para que a pesquisa não fosse comentada.

Somente neste domingo 24, já mais conscientes da situação de risco e não tendo mais como continuar a se esconder dos números, é que alguns aliados de Gama resolveram comentar o assunto, mas apenas para desqualificar o resultado da pesquisa e traçar novas estratégias de artilharia pesada contra Edivaldo, e agora também contra Wellington.

O levantamento Ecométrica foi contratado pela empresa Luís Assis CS de Almeida-ME. A consulta foi registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo MA-03691/2016, ouviu 985 eleitores em 55 bairros da capital, possui margem de erro de 3,1% e intervalo de confiança de 95%.